domingo, 31 de outubro de 2010

COMO PÁSSAROS....



“Sede como pássaros que, ao pousarem um instante sobre ramos muito leves, sentem-nos ceder, mas cantam! Eles sabem que possuem asas”. (Victor Hugo).

Aqui estou eu, falando em pássaros, em voar, em cantar, em limites e transcendência; insistindo, enfim, sobre o que mais me fascina e me impulsiona a caminhar e a superar aqueles que são nossos limites, procurando compreender e acolher o esplêndido projeto de Deus a nosso respeito. O que direi, tem tudo a ver com nossa vida, nosso ideal, nosso entusiasmo pelo Reino, nossa vocação, nossa atuação na sociedade em que vivemos, nossa missão.

Somos como pássaros, presos às vezes; outras, com asas molhadas; incapazes, ás vezes, de cantar e voar; sempre fixando nosso olhar além, e sempre com o desejo de cantar e voar: cantar a melodia harmoniosa e sublime de nossa vida, com tudo o que ela significa, louvando o Criador; e voar bem alto, como as águias, obedecendo às inspirações da “Águia Divina”, conscientes que para voar alto e cantar, possuímos asas, olhos e coração.

A realidade de nossos passos é, por vezes, incerta; a fragilidade dos nossos apoios, dos nossos projetos humanos é, por vezes, insegura; os ramos, onde, algumas vezes, pousamos nossos pés, são quebradiços; mas, acima de tudo, acreditamos na força Daquele que nos sustenta – sua graça nos basta! – e no poder Daquele que nos liberta. E com Ele, por Ele e para Ele cantamos, louvamos, agimos, amamos – “jogando pétalas” – em todos os momentos de nossa curta existência, sobretudo nas provas e cruzes da vida: é aí, na experiência da cruz, que experimentamos a “suficiência de Deus”, a sabedoria de Deus. “Só Deus basta”.

Demos, então, uma tonalidade diferente à aparente monotonia de nossa vida, de nosso canto; ultrapassemos os nossos limites; saibamos manter vivos nossos sonhos; “evitemos a morte em doses suaves”. Lembremos que somos feitos para voar e “voar em direção ao mais alto, cantando suavemente” (S.João da cruz, Ditos, 119)...Até chegar definitivamente no seio de Deus, o mais profundo “Centro” de nossa existência.

Frei Pierino Orlandini

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

FÉ, ESPERANÇA E CARIDADE




As virtudes podem ser HUMANAS (CARDEAIS) e TEOLOGAIS. Cultivamos e usamos as virtudes humanas para conviver bem com as outras pessoas, no meio da nossa família, na nossa comunidade e no mundo; são: prudência, justiça, fortaleza, temperança. Também devemos cultivar as virtudes teologais no nosso relacionamento com Deus.
Quando recebemos o sacramento do Batismo é infundida em nosso ser a graça santificante, que nos torna capazes de nos relacionar com a Santíssima Trindade e nos orienta na maneira cristã de agir. O Espírito Santo se torna presente em nós, fundamentando as virtudes teologais, que são três: FÉ, ESPERANÇA E CARIDADE.


I - Primeira virtude: FÉ
Cultivando a fé, acreditamos no Deus Criador, que é o Pai, no Deus Salvador, que é Jesus Cristo e no Deus Santificador, que é o Espírito Santo. Cultivando a fé, compreendemos que Deus é uno e trino e que tudo isto nos foi revelado nas Sagradas Escrituras. Cremos, então, que Deus é a verdade.
No dia-a-dia, nós usamos muito a fé. Temos fé nas pessoas, às vezes até em pessoas em quem não sabemos se podemos confiar. Por exemplo: ninguém pode ser testemunha do seu próprio nascimento, mas a fé que nós cremos nos pais ou no cartório que fez o registro nos faz acreditar na data e no local do nosso nascimento. Do mesmo modo, quando entramos em um ônibus ou em um avião, acreditamos que o motorista ou o piloto são habilitados para transportar-nos e nós nem os conhecemos, mas acreditamos.
E Deus, que criou todas as coisas e nos deu a faculdade de pensar, de raciocinar, de acreditar? Temos muito mais motivos para acreditar n'Ele, para confiar n'Ele, para nos abandonar livremente em suas mãos.
A fé que devemos cultivar em relação a Deus é muito mais segura do que a fé que naturalmente temos nas pessoas. Assim, pela fé, cremos em Deus e em tudo o que Ele nos revelou. Ele se revela sempre a nós. Primeiro pelos Profetas, depois, através de seu Filho, que é a sua Palavra. Ele se revela também através do testemunho dos Apóstolos. E, constantemente, através dos acontecimentos da história da humanidade e da história de cada um de nós.
Mas não basta que nós cultivemos a fé. Esta, quando verdadeira, exige ação. Quando temos um amigo, não basta que gostemos dele. Devemos dar-lhe atenção, ajudá-lo quando necessário e possível, e ajudar também as pessoas que ele ama. Se não for assim, a amizade e a confiança não são verdadeiras.
Com Deus, é do mesmo modo. De que adianta a pessoa acreditar em Deus e não fazer nada para melhorar o mundo que Ele criou com tanto amor? Madre Teresa de Calcutá dizia: "Eu sei que o meu trabalho é como uma gota no oceano, mas, sem ele, o oceano seria menor". E São Tiago, em uma carta, nos diz que "a fé sem obras é morta" (Tg 2,26).
A fé nos leva, portanto, a praticar a justiça em tudo que fazemos.


II - Segunda virtude: ESPERANÇA
A Esperança é a virtude que nos ajuda a desejar e esperar tempos melhores em nossa vida aqui na terra e ter a certeza de que conquistaremos a eternidade, que será a nossa felicidade.
Muitas vezes, passamos por momentos difíceis e achamos que nossa vida não tem solução. O mundo hoje está muito violento e cheio de catástrofes. A cada dia, assistimos na televisão e até bem perto de nós, cenas de maldade, agressões, violência. E vemos também a tragédias provocadas por desastres da natureza.
Precisamos refletir sobre tudo o que está acontecendo, encontrar onde está a falha e buscar uma solução. Sozinhos, não somos nada, mas com Deus, tudo podemos. A esperança nos leva a tentar vencer os obstáculos.
Há alguns meses houve um tremor de terra no Haiti e 70% dos prédios da capital se desmoronou. Um repórter conseguiu mostrar que, em meio à quase completa ruína de uma igreja católica, restou intacta a imagem do Cristo Crucificado. Tudo quebrado no chão e ela lá, em pé, fulgurante, como a mostrar que Ele está presente junto ao povo sofrido. Esta cena é muito significativa. Pode-se compreender uma mensagem de Deus para nós. Precisamos aprender a escutar a voz do Pai. Cada um, no seu coração, vai interpretar, a seu modo, fatos como este, tão significativos.
No Antigo Testamento, a esposa de Abraão era estéril, mas o Senhor lhe prometeu uma descendência mais numerosa do que as estrelas do céu e todo o povo de Deus constitui a sua descendência, porque Sara, sua esposa, concebeu na velhice e gerou seu filho Isaac.
No Novo Testamento, o anjo do Senhor anunciou à Virgem Maria que ela seria Mãe de um rei. E ela, de início sem compreender o que anjo falara, se prontificou a cumprir a vontade do Pai. Sofreu muito, meditando tudo no silêncio do seu coração. Esperou, esperou contra toda esperança e foi elevada aos céus e coroada Rainha dos anjos e dos santos, Mãe de Deus e Mãe da humanidade.
Seu Filho não foi aquele rei rico em coisas materiais, como nós imaginamos no nosso mundo, serem os reis. Mas Ele mesmo disse: "O meu reino não é deste mundo". E Ele é o rei dos reis e ao som do seu nome se dobram todos os seres do céu, da terra e sob a terra.
Somos, por meio de Cristo, herdeiros da esperança de vida eterna.


III - Terceira virtude: CARIDADE
A Caridade é amor. São palavras sinônimas. A Caridade não é somente procurar uma moedinha no fundo da bolsa e jogá-la na latinha de quem pede. A Caridade não é somente ofertar um prato de comida a quem tem fome. A Caridade não é somente tirar do nosso guarda-roupa um vestido, uma blusa, um sapato ou qualquer objeto que não usamos mais e dar a quem nada tem. A Caridade é amor. É conhecer a dor da pessoa que vive perto de nós, quer seja na nossa família, na comunidade ou mais distante. Conhecer a sua dor e procurar com ela resolver o seu problema.
A Caridade é dar um bom dia, é sorrir para uma criança indefesa, para um jovem às vezes desorientado, para um idoso que carrega seu fardo com dificuldade.
A caridade é a virtude perfeita. Neste mundo, precisamos ter fé, esperança e amor. Precisamos ter fé e esperança porque aqui estamos caminhando nas trevas, isto é, acreditamos em algo que não vemos com os nossos olhos humanos e limitados. Mas cremos na aurora que dissipará essas trevas e, quando alcançarmos a vida eterna, a fé e a esperança já não serão necessárias, porque já estaremos diante do Pai.
Entretanto, o amor permanece, porque Deus é amor e, se estamos diante d'Ele, também somos amor.
Por isto é que São Paulo, em sua Primeira carta aos coríntios, termina o capítulo 13 dizendo: "Agora, portanto, permanecem três coisas: a fé, a esperança e o amor. A maior delas é o amor".
E Santa Teresa de Jesus nos diz: "Não é bastante amar, é preciso prová-lo".


Que o Santo Espírito de Deus nos guie na vivência destas virtudes!!!


Todos os Santos Carmelitas intercedam por nós e pelos que nos são caros, a fim de que alcancemos nosso fim.



Abraços a todos,
Ceane Ribeiro (Mariana José de Jesus Mazurek, ocds)


quinta-feira, 21 de outubro de 2010

SANTOS E BEATOS CARMELITAS



OUTUBRO:
01- Santa Teresinha do Menino Jesus
15- Santa Teresa de Ávila



01 de Outubro:
SANTA TERESINHA DO MENINO JESUS

A TEMPESTADE

Um dia o formoso céu azul
Do campo se anuviou e logo
Começo a tempestade.
Raios cortavam as nuvens
E, pertinho, vi cair um raio.
Longe de ficar com medo,
Extasiava-me, tendo a
Impressão de que o
Bom Deus estava pertinho...
Papai, pelo contrário,
Estava preocupado.
Não porque tivesse medo
Da tempestade, mas porque
O capim e os malmequeres
Eram mais altos do que eu,
Brilhavam como pedras preciosas
E deveríamos atravessar vários prados
Antes de encontrar um caminho.
Meu querido paizinho,
Como medo que sua filhinha se molhasse,
Colocou-me na garupa,
Apesar de todos os apetrechos de pesca.

(Santa Teresinha)



15 de Outubro:
SANTA TERESA D’ ÁVILA

NADA TE PERTUBE

Nada te perturbe,
Nada te espante,
Tudo passa,
Deus não muda,

A paciência tudo alcança;
Quem a Deus tem
Nada lhe falta:
Só Deus basta.

Eleva o pensamento,
Ao céu sobe,
Por nada te angusties,
Nada te perturbe.

A Jesus Cristo segue
Com peito grande,
E, venha o que vier,
Nada te espante.

Vês a glória do mundo?
É glória vã;
Nada tem de estável,
Tudo passa.

Aspira às coisas celestes,
Que sempre duram;
Fiel e rico em promessas,
Deus não muda.

Ama-O como merece,
Bondade imensa;
Mas não há amor fino
Sem a paciência.

Confiança e fé
Mantenha a alma,
Que quem crê e espera
Tudo alcança.

Do inferno acossado
Muito embora se veja,
Burlará os seus furores
Quem a Deus tem.

Advenham-lhe desamparos,
Cruzes, desgraças;
Sendo Deus o seu tesouro,
Nada lhe falta.

Ide, pois, bens do mundo,
Ide, ditas vãs;
Ainda que tudo perca,
Só Deus basta.

(Santa Teresa de Ávila)




Que as palavras destas duas Grandes Santas do Carmelo nos impulsionem na confiança e no amor que devemos ter por Nosso Bom Deus!



Abraços fraternais,
Ceane Ribeiro (Mariana Mazurek, ocds)






quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Nova Coordenadora da Comissão de Jovens da OCDS.

Esther da Comunidade Alegria da Sagrada Face de Itapetininga - SP é a mais nova jovem coordenadora da Comissão de Jovens da OCDS.

Queremos ser Jovens

Queremos ser jovens, libertos doados, na causa da vida e do amor empenhados. Abertos, conscientes bem esclarecidos, juntar nossas mãos caminhar mais unidos.

Os jovens, teus irmãos, Jesus Senhor, tem fome de justiça e de amor. Sustenta sua luta, seu vigor, na força do teu pão libertador!

Em nossa família, na comunidade, queremos ser luz para a sociedade, formando igreja, formando teu povo, na fraternidade, na busca do novo.

Estamos dispostos que Deus nos ajude a abrirmos espaços para a juventude. Que jovem algum seja, pois excluído de participar, de também ser ouvido.

Nas leis da nação, no trabalho e estudo, comunicação, arte, esporte, em tudo, que sem leviandade, engano ou violência, respeite-se o jovem e sua consciência.

NOVA PRESIDENTE PROVINCIAL OCDS

Maria Eduarda é eleita a nova Presidente provincial OCDS.

Maria Eduarda Barbosa, da Comunidade Pequena Flor de Santa Teresinha, de Barra do Piraí-RJ, foi eleita como presidente provincial OCDS da Província São José para o triênio 2010-1013.