terça-feira, 31 de maio de 2016

I CONGRESSO DA JUVENTUDE CARMELO DESCALÇO 2016

    
"Começarei a cantar o que depois deverei repetir por toda a eternidade: As misericórdia do Senhor”. (Ms A 2r) Santa Teresinha do Menino Jesus






 Queridos irmãos e irmãs em Cristo e no Carmelo Descalço, paz e alegria!
 É com muita alegria e gratidão a Deus que escrevemos a todos vocês para convidá-los a participar do I Congresso da Juventude do Carmelo Descalço da Província São José. Este congresso é a materialização de um antigo sonho, que há tempo vem sendo planejado e desejado por todos nós.
Visando aprofundar a proposta que o Santo Padre, o papa Francisco, fez a toda Igreja neste ano santo consagrado à Misericórdia, o congresso terá como tema a frase: “CONECTADOS COM A MISERICÓRDIA”, e lema: “Bem aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia” (Mt 5, 7).


O nosso congresso se realizará de 29 a 31 de julho, no Centro Teresiano de Espiritualidade, em São Roque – SP. Visando proporcionar uma grande participação dos jovens de nossa província, conseguimos reduzir o valor da taxa de inscrição, que é de apenas R$ 150,00. As inscrições serão on-line, por meio do link abaixo:
Para facilitar a organização do evento, as inscrições somente serão confirmadas após o envio do comprovante de pagamento para o e-mail:

 carmelojovemprovinciasaojose@gmail.com

Como as vagas são limitadas, as inscrições para os jovens da OCDS e para os vocacionados da OCD, estarão abertas até o dia 02 de maio. Após esta data, as inscrições estarão abertas aos membros da OCDS e aos amigos do Carmelo.


Para maiores informações, vocês podem entrar em contato com Esther Pires, pelo telefone: (15) 99728 2767.
Na certeza de que somos irmãos, cantemos eternamente as misericórdias do Senhor!
Forte e fraterno abraço,


Comissão de Jovens da OCDS


quinta-feira, 7 de abril de 2016

I CONGRESSO DA JUVENTUDE DO CARMELO DESCALÇO

Começarei a cantar o que depois deverei repetir por toda a eternidade: 
“As misericórdia do Senhor”. (Ms A 2r) 
Santa Teresinha do Menino Jesus



Queridos irmãos e irmãs em Cristo e no Carmelo Descalço, paz e alegria!
 É com muita alegria e gratidão a Deus que escrevemos a todos vocês para convidá-los a participar do I Congresso da Juventude do Carmelo Descalço da Província São José. Este congresso é a materialização de um antigo sonho, que há tempo vem sendo planejado e desejado por todos nós.
Visando aprofundar a proposta que o Santo Padre, o papa Francisco, fez a toda Igreja neste ano santo consagrado à Misericórdia, o congresso terá como tema a frase: “CONECTADOS COM A MISERICÓRDIA”, e lema: “Bem aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia” (Mt 5, 7).
O nosso congresso se realizará de 29 a 31 de julho, no Centro Teresiano de Espiritualidade, em São Roque – SP. Visando proporcionar uma grande participação dos jovens de nossa província, conseguimos reduzir o valor da taxa de inscrição, que é de apenas R$ 150,00. As inscrições serão on-line, por meio do link abaixo:
Para facilitar a organização do evento, as inscrições somente serão confirmadas após o envio do comprovante de pagamento para o e-mail:
 carmelojovemprovinciasaojose@gmail.com
Como as vagas são limitadas, as inscrições para os jovens da OCDS e para os vocacionados da OCD, estarão abertas até o dia 02 de maio. Após esta data, as inscrições estarão abertas aos membros da OCDS e aos amigos do Carmelo.
Para maiores informações, vocês podem entrar em contato com Esther Pires, pelo telefone: (15) 99728 2767.
Na certeza de que somos irmãos, cantemos eternamente as misericórdias do Senhor!
Forte e fraterno abraço,


Comissão de Jovens da OCDS

segunda-feira, 28 de março de 2016

Canonização da Beata Elizabete da Trindade e Frei Maria Eugenio,ocd






Dois carmelitas franceses em breve subirão aos altares!

No dia 04/03/2016 o Papa Francisco aprovou o milagre após o qual se poderá marcar a data de canonização desta Carmelita Descalça. No mesmo dia o Papa aprovou também o milagre que permitira a beatificação do Padre Eugénio Maria do Menino Jesus, Carmelita Descalço francês fundador do instituto Notre-Dame de Vie.
 

Parabéns Santa Madre Teresa de Jesus!



Dom Alonso Sánchez de Cepeda assim escreveu em seu diário, ao narrar orgulhoso o nascimento de sua querida filha, para ele Teresa de Ahumada e Cepeda; para a Igreja e o mundo, Teresa de Jesus: "Aos vinte e oito dias do mês de março do ano de mil quinhentos e quinze, uma quarta-feira, nasceu Teresa, minha filha, às cinco horas da manhã, meia hora mais, meia hora menos, aos primeiros alvores do dia. O ângelus da aurora começou a soar na Igreja de São Domingos. Depois, repicaram todos os sinos de Ávila". Não conhecia ele os planos divinos que a tornariam a grande Teresa, doutora da Igreja, conhecida mundialmente, muito venerada e amada, mesmo depois de decorridos 501 anos.
Mas, como, após cinco séculos, sua mensagem permanece atual? É como nos escreve Frei Patrício Sciadini, OCD, na abertura do livro Teresa de Ávila: é tempo de caminhar utilizando-se de sua maneira espirituosa de escrever: "Santa Teresa é como aquele vinho bom, de qualidade, que com o passar do tempo fica com sabor mais refinado, a fragrância e a espessura melhores”. "Mandou bem”, Abuna Batrick (como é chamado no Egito)! Então, um brinde a nossa querida mãe do Carmelo Descalço! Com sua personalidade magnética, conseguiu um feito extraordinário: após 501 anos de existência, continuar sendo amada por todos e, em pleno 2016, inflamar as almas com sua doutrina!  
Pedimos, Santa Madre, que continue amando e protegendo seus filhos carmelitas descalços, para que não se afastem dos vossos ensinamentos. Protege, nesses tempos de ódio e perseguição ao cristianismo, os carmelitas que estão enfrentando terríveis tribulações movidas pela intolerância religiosa e não aceitação da Fé. Quantos não devem sofrer privações e constantes sobressaltos. Que nunca duvidem do Amor e misericórdia divinos.

E, para nós carmelitas descalços seculares da Província São José, que sempre após as “noites escuras” reencontremos no nosso “castelo interior” a beleza de Deus, que é mistério, porém, que se deixa atingir pelo homem e mulher orantes. 

Danielle Meirelles Cabral Mendes, OCDS.
Presidente da Comunidade Flor do Carmelo de Santa Teresinha e
Membro da Comissão Jovem da Província São José






quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

ADVENTO: ORIGEM E SIGNIFICADO.


Todos os grandes eventos exigem uma preparação. Por isso, a Igreja instituiu, na Liturgia, um período que antecede o Natal: o Advento que, ao longo da história da Igreja, tomou diversas formas.

Receber uma visita é uma arte que uma dona de casa exercita com frequência. E quando o visitante é ilustre, os preparativos são mais exigentes. Imagine o leitor que numa Missa de domingo seu pároco anunciasse a visita pastoral do bispo diocesano, acrescida de uma particularidade: um dos paroquianos seria escolhido à sorte para receber o prelado em sua casa, para almoçar, após a Missa.
Certamente, durante alguns dias, tudo no lar da família eleita se voltaria para a preparação de tão honrosa visita. A seleção do cardápio, para o almoço, o que melhorar na decoração do lar, que roupas usar nessa ocasião única. Na véspera, uma arrumação geral na casa seria de praxe, de modo a ficar tudo eximiamente ordenado, na expectativa do grande dia.
Essa preparação que normalmente se faz, na vida social, para receber um visitante de importância, também é conveniente fazer-se no campo sobrenatural. É o que ocorre, no ciclo litúrgico, em relação às grandes festividades, como por exemplo, o Natal. A Santa Igreja, em sua sabedoria multissecular, instituiu um período de preparação, com a finalidade de compenetrar todas as almas cristãs da importância desse acontecimento e proporcionar-lhes os meios de se purificarem para celebrar essa solenidade dignamente. Esse período é chamado de Advento.


Significado do termo

Advento - adventus, em latim - significa vinda, chegada. É uma palavra de origem profana que designava a vinda anual da divindade pagã, ao templo, para visitar seus adoradores. Acreditava-se que o deus cuja estátua era ali cultuada permanecia em meio a eles durante a solenidade. Na linguagem corrente, significava também a primeira visita oficial de um personagem importante, ao assumir um alto cargo. Assim, umas moedas de Corinto perpetuam a lembrança do adventus augusti, e um cronista da época qualifica de adventus divi o dia da chegada do Imperador Constantino. Nas obras cristãs dos primeiros tempos da Igreja, especialmente na Vulgata, adventus se transformou no termo clássico para designar a vinda de Cristo à terra, ou seja, a Encarnação, inaugurando a era messiânica e, depois, sua vinda gloriosa no fim dos tempos.


Surgimento do Advento cristão

Os primeiros traços da existência de um período de preparação para o Natal aparecem no século V, quando São Perpétuo, Bispo de Tours, estabeleceu um jejum de três dias, antes do nascimento do Senhor. É também do final desse século a "Quaresma de São Martinho", que consistia num jejum de 40 dias, começando no dia seguinte à festa de São Martinho.
São Gregório Magno (590- 604) foi o primeiro Papa a redigir um ofício para o Advento, e o Sacramentário Gregoriano é o mais antigo em prover missas próprias para os domingos desse tempo litúrgico.

No século IX, a duração do Advento reduziu-se a quatro semanas, como se lê numa carta do Papa São Nicolau I (858-867) aos búlgaros. E no século XII o jejum havia sido já substituído por uma simples abstinência.
Apesar do caráter penitencial do jejum ou abstinência, a intenção dos papas, na alta Idade Média, era produzir nos fiéis uma grande expectativa pela vinda do Salvador, orientando-os para o seu retorno glorioso no fim dos tempos. Daí o fato de tantos mosaicos representarem vazio o trono do Cristo Pantocrátor. O velho vocábulo pagão adventus se entende também no sentido bíblico e escatológico de "parusia".


O Advento nas Igrejas do Oriente

Nos diversos ritos orientais, o ciclo de preparação para o grande dia do nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo formou-se com uma característica acentuadamente ascética, sem abranger toda a amplitude de espera messiânica que caracteriza o Advento na liturgia romana.
Na liturgia bizantina destaca-se, no domingo anterior ao Natal, a comemoração de todos os patriarcas, desde Adão até José, esposo da Santíssima Virgem Maria. No rito siríaco, as semanas que precedem o Natal chamam-se "semanas das anunciações". Elas evocam o anúncio feito a Zacarias, a Anunciação do Anjo a Maria, seguida da Visitação, o nascimento de João Batista e o anúncio a José.


 

O Advento na Igreja Latina

É na liturgia romana que o Advento toma o seu sentido mais amplo. Muito diferente do menino pobre e indefeso da gruta de Belém, nos aparece Cristo, no primeiro domingo, cheio de glória e esplendor, poder e majestade, rodeado de seus Anjos, para julgar os vivos e os mortos e proclamar o seu Reino eterno, após os acontecimentos que antecederão esse triunfo: "Haverá sinais no Sol, na Lua e nas estrelas; e, na Terra, angústia entre as nações aterradas com o bramido e a agitação do mar" (Lc 21, 25). "Vigiai, pois, em todo o tempo e orai, a fim de que vos torneis dignos de escapar a todos estes males que hão de acontecer, e de vos apresentar de pé diante do Filho do Homem" (Lc 21, 36). É a recomendação do Salvador.
Como ficar de pé diante do Filho do Homem? A nós cabe corar de vergonha, como diz a Escritura. A Igreja assim nos convida à penitência e à conversão e nos coloca, no segundo domingo, diante da grandiosa figura de São João Batista, cuja mensagem ajuda a ressaltar o caráter penitencial do Advento.
Com a alegria de quem se sente perdoado, o terceiro domingo se inicia com a seguinte proclamação: "Alegrai-vos sempre no Senhor. De novo eu vos digo: alegrai-vos! O Senhor está perto". É o domingo Gaudete. Estando já próxima a chegada do Homem- Deus, a Igreja pede que "a bondade do Senhor seja conhecida de todos os homens". Os paramentos são cor-de-rosa.
No quarto domingo, Maria, a estrela da manhã, anuncia a chegada do verdadeiro Sol de Justiça, para iluminar todos os homens. Quem, melhor do que Ela, para nos conduzir a Jesus? A Santíssima Virgem, nossa doce advogada, reconcilia os pecadores com Deus, ameniza nossas dores e santifica nossas alegrias. É Maria a mais sublime preparação para o Natal.


Coroa do Advento

Ela é tão simples quanto bonita: um círculo feito de ramos verdes, geralmente de ciprestes ou cedros. Nele coloca-se uma fita vermelha longa que, ao mesmo tempo enfeita e mantêm presos à haste circular os ramos. Quatro velas de cores variadas completam essa bela guirlanda que, nos países cristãos, orna e marca há séculos a época do advento. A esta guirlanda dá-se o nome de Coroa do Advento.



TIPOS DE COROA DO ADVENTO:

Coroa com três velas roxas e uma lilás ou rósea: símbolo das
semanas de espera (roxas) e do domingo gaudete (rósea). 


Coroa mais divulgada atualmente: com as
principais cores litúrgicas, símbolo da:
Esperança (verde), Penitência (roxa),
Amor-Caridade (vermelha) e Alegria (branca)


Um antigo costume piedoso

Nos domingos de Advento, existe o piedoso costume de as famílias e as comunidades católicas se reunirem em torno de uma coroa para rezar. A "liturgia da coroa", como é conhecida esta oração, realiza-se de um modo muito simples. Todos os participantes da oração colocam-se em torno daquela guirlanda enfeitada e a cerimônia tem início, Em cada uma das quatro semanas do advento acende-se uma nova vela, até que todas sejam acesas.
O acender das velas é sempre acompanhado com um canto. Logo em seguida, lê-se uma passagem das Sagradas Escrituras que seja própria para o tempo do Advento e é feita uma pequena meditação. Depois disso é que são realizadas algumas orações e são feitos alguns louvores para encerrar a cerimônia. Geralmente a guirlanda da coroa, bem como as velas, são bentas por um sacerdote.


Origem

A Coroa de Advento tem sua origem na Europa. No inverno, seus ainda bárbaros habitantes acendiam algumas velas que representavam a luz do Sol. Assim, eles afirmavam a esperança que tinham de que a luz e o calor do astro-rei voltaria a brilhar sobre eles e aquecê-los. Com o desejo de evangelizar aquelas almas, os primeiros missionários católicos que lá chegaram quiseram, a partir dos costumes dos da terra, ensinar-lhes a Fé e conduzi-los para Jesus Cristo. Foi assim que, criaram a "coroa do advento", carregada de símbolos, ensinamentos e lições de vida.


A forma circular

O círculo não tem princípio, nem fim. É interpretado como sinal do amor de Deus que é eterno, não tendo princípio e nem fim. O círculo simboliza também o amor do homem a Deus e ao próximo que nunca deve se acabar, chegar ao fim. O círculo ainda traz a ideia de um "elo" de união que liga Deus e as pessoas, como uma grande "Aliança".



Ramos verdes

Verde é a cor que representa a esperança, a vida. Deus quer que esperemos a sua graça, o seu perdão misericordioso e a glória da vida eterna no final de nossa vida terrena. Os ramos verdes lembram as bênçãos que sobre os homens foram derramadas por Nosso Senhor Jesus Cristo, em sua primeira vinda entre nós e que, agora, com uma esperança renovada, aguardamos a sua consumação, na segunda e definitiva volta dEle.


Quatro velas

O advento tem quatro semanas, cada vela colocada na coroa simboliza uma dessas quatro semanas. No início a Coroa está sem luz, sem brilho, sem vida: ela lembra a experiência de escuridão do pecado.
À medida que nos aproximamos do Natal, a cada semana do Advento, uma nova vela vai sendo acesa, representando a aproximação da chegada até nós Daquele que é a Luz do mundo, Nosso Senhor Jesus Cristo. Ele é quem dissipa toda escuridão, é quem traz aos nossos corações a reconciliação tão esperada entre nós e Deus e, por amor a Ele, a "paz na Terra entre os homens de boa vontade". (JSG)
Com esse tempo de preparação, quer a Igreja ensinar-nos que a vida neste vale de lágrimas é um imenso advento e, se vivermos bem, isto é, de acordo com a Lei de Deus, Jesus Cristo será nossa recompensa e nos reservará no Céu um belo lugar, como está escrito: "Coisas que os olhos não viram, nem os ouvidos ouviram, nem o coração humano imaginou, tais são os bens que Deus tem preparado para aqueles que O amam" (1Cor 2, 9).

(Fontes: Pe. Mauro Sérgio da Silva Isabel, EP; Revista Arautos do Evangelho, Dez/2006, n. 60, p. 18-19).

domingo, 29 de novembro de 2015

PARTICIPAÇÃO JOVEM NAS COMUNIDADES OCDS

Os jovens estao cada vez mais participando das comunidades e grupos Ocds .E cada vez mais estao sendo chamados a atuarem nas presidencias ,conselhos e como formadores.O destaque esta nas Comunidades Alegria da Sagrada Face na cidade de Itapetininga-SP ,foram eleitas as Jovens Carla Carolina de Moraes Almeida de Oliveira e a Presidente da Comissao Jovem,Maria Esther Soares Pires como Conselheira.

Carla Carolina de Moraes Almeida de Oliveira
Presidente Comunidade Alegria da Sagrada Face
Itapetininga-SP
Maria Esther Soares Pires como Conselheira
Comunidade Alegria da Sagrada Face
Itapetininga-SP
Presidente Comissao Jovem Ocds




Este ano uma Nova Fundacao na cidade de Fortaleza-Ce ,Comunidade Flor do Carmelo de Santa Teresinha,iniciou-se em   28 de novembro do presente ano e a Presidencia e dois membros do Conselho tambem fazem parte da Comissao Jovens Ocds.Sendo o formador tambem jovem Artur Viana .


Danielle Cabral
Presidente Comunidade Flor do Carmelo de Santa Teresinha
Fortaleza-Ce
Comissao Jovem Ocds






Giovani Carvalho e Joao Paulo Matias
Comissao Jovem Ocds-Provincia Sao Jose




Formador Artur Viana ,Secretaria Luciana Pontes
Comissao Jovem Ocds





quinta-feira, 1 de outubro de 2015

SANTA, GRAÇAS A SEUS SANTOS PAIS!



A Santa Família Martín: pais e filha santos,
uma serva de Deus, três monjas e quatro
"anjinhos". 
Tal pai, tal filho, reza um ditado comum no Brasil. Também já estamos  às portas de outubro, mês das missões, iniciado com a festa de Santa Teresinha, padroeira das missões. Mês do Rosário, do Sínodo dos bispos sobre a missão da família. E especialmente para a família do Carmelo Teresiano, além de encerrarmos o Ano Teresiano no qual festejamos os 500 anos de nascimento de Santa Teresa D’Avila, teremos a alegria da primeira canonização de um casal dia 18, Luís e Zélia, pais santos e geradores de vidas santas.

Voltemos um pouco a página da história. Dia 2 de janeiro de 1873. Estamos em Alençon França. Dia alegre para família de Luis e de  Zélia com a chegada da nona filha, Teresa. Luís, o pai tem quase 50 anos de idade; a mãe Zélia está com 41 anos de idade e traz em si o sofrimento pela perda de quatro filhos ainda pequeninos, mais o trabalho de sua pequena empresa de bordado do famoso ponto de Alençon. As quatro irmãs mais velhas de Teresa  a mimam e a cumulam de atenção.

Porém esse tempo feliz da família em Alençon vai “passar pelo crisol do sofrimento” (MA 12r): a morte de Zélia (28 de agosto de 1877) após grandes sofrimentos causados por um câncer num seio, os quais foram vividos no abandono em Deus, na oração e oblação de si. Zélia mesmo nos últimos dias de sua vida, quando dar um passo provocava dores lancinantes, não deixou de ir à Missa, normalmente a das 6 da manhã, a missa dos pobres que depois seguiam para o trabalho. Este bom costume foi sempre vivido pelo casal e mesmo depois da morte de Zélia, Luís continuou a seguí-lo, bem como a participação nas adorações ao SS. Sacramentos e das Vésperas na igreja paroquial.

Teresa em sua infância não compreende bem a situação da perda materna,  mas a sofre profundamente e busca refúgio na irmã mais velha, Paulina (MA 13v). O  pai pensando na continuidade da educação das filhas, decide mudar com a família para Lisieux, a fim de estar mais próximo de seus cunhados que o ajudarão nesta tarefa de educação e de cuidado das filhas órfãs.

Em Lisieux Teresa plantará suas raízes e será o local que lhe emprestará o nome com o qual é também conhecida: Teresa de Lisieux. Fará sua primeira comunhão, o que ela chama sua “fusão com Jesus” (MA 35 r), que a conduzirá no caminho da vida contemplativa do Carmelo desta cidade, onde já se encontram algumas de suas irmãs.

Aos escrever as suas recordações – a História de uma alma – Teresa reconhece que teve “pais incomparáveis” (MA 3r) que a educaram na virtude, corrigindo seus defeitos a tempo, o que a ajudou a crescer na perfeição (cf. MA 8v); bastava que lhe dissessem que o que ela fazia não era correto ou bom, que Teresa punha mãos à obra para que eles não repetissem a mesma recomendação ou advertência.

Numa interessante comparação sobre a educação dos filhos por parte dos pais, Teresinha escreve:

“Como os passarinhos aprendem a cantar escutando seus pais, assim as crianças aprendem a ciência da virtude, o canto sublime do amor de Deus, das almas encarregadas de formar-lhes para a vida” (MA 53 r).

Na tarefa educativa dos pais, Teresa aplica à sua missão a promessa de Jesus do cêntuplo, tradicionalmente aplicada à vida consagrada ou sacerdotal: são “pais generosos que fazem o sacrifício de seus filhos a quem mais querem”  pela causa do Reino (Cta. de 14-17 outubro 1895).

Das orações em família guarda Teresa uma terna lembrança: bastava olhar para seu pai em oração “para saber como rezam os santos” (MA 18r). E aqui vale a pena lembrar que a certeza  da santidade de seus pais sempre esteve presente em sua memória (cf. MA 82 v). Muitos dos vizinhos que ouviam os passos da família que passava cedo pelas ruas em direção à igreja para a missa, comentavam: são os santos cônjuges Martin que vão para a missa.

Após a morte do pai (29 de julho de 1894) Teresinha escreve uma espécie de oração ou poesia como história familiar intitulada Oração da filha de um santo (Poesia 8). Na primeira estrofe escreve:

Recorda-te de que outrora na terra
Tua felicidade era sempre nos amar.
De tuas filhas escuta agora a prece,
Protege-nos, digna-te nos abençoar.
Encontraste no céu nossa Mãe querida
Que já te precedera na Pátria eterna,
Agora nos céus
Reinais os dois
Velai por nós.


Fazemos nossas as palavras de Teresinha e pedimos que o exemplo de Luiz e Zélia possa iluminar e fortalecer tantos casais que,  animados pelo mesmo espírito de santidade sigam adiante, formando seus filhos no amor a Deus amor ao próximo. Esta é a parte mais sublime de sua nobre e desafiante missão. E ao mesmo tempo, supliquemos ao Espírito Santo sua luz sobre o Sínodo dos bispos sobre a família e sua missão no mundo de hoje: à luz da Sagrada Família sejam fermento do Reino!



Relicário que contém as seguintes
relíquias do casal Martín: o braço
direito de Luís e o braço direito de
Zélia, símbolos de sua união
matrimonial. 

sábado, 20 de junho de 2015

O ASSASSINO E A INOCENTE.



Henri Pranzini
A confiança da jovem Teresa na misericórdia divina lhe dava a certeza de que esse infeliz seria perdoado. Mas pediu a Deus um sinal... E esse sinal lhe foi dado!


Em Henrique Pranzini, as qualidades naturais e os vícios disputavam a primazia. Falava com perfeição vários idiomas e viajara por muitos países. Aventureiro, alistara-se no Exército das Índias e foi lutar no Afeganistão. Depois ofereceu seus serviços ao Império russo para combater no Sudão.

Em 1887, ei-lo em Paris, onde se relacionou com a rica e tristemente célebre Regina de Montille. No intuito de, ao que consta, apoderar-se da fortuna dessa infeliz mulher, estrangulou- a a sangue frio, mais sua filha de doze anos e uma empregada.

Preso por esse tríplice assassinato, proclamou com cínica empáfia sua "inocência" e passou seus últimos dias lendo livros obscenos. Em vão vários sacerdotes o visitaram na prisão: não dava sinal algum de arrependimento e jactava-se de não temer a condenação eterna.


Teresinha aos 13 anos
“Jesus fez de mim uma pescadora de almas”

O fato repercutiu em toda a França e chegou ao conhecimento de uma graciosa jovem de quatorze anos, residente na pequena cidade de Lisieux: Teresa Martin, a futura Santa Teresinha.

Justamente nesses dias, Teresa sentia em sua alma um premente apelo de Jesus, que ela própria assim descreve: "Ele fez de mim uma pescadora de almas. Senti um grande desejo de trabalhar pela conversão dos pecadores. (...) Olhando uma fotografia de Nosso Senhor crucificado, comoveu-me ver o sangue que corria de uma de suas mãos divinas e causou- me grande pena a consideração de que esse sangue caía por terra sem que ninguém procurasse recolhê-lo, e resolvi manter-me em espírito ao pé da Cruz para receber esse Divino Orvalho e distribuí-lo às almas (...) Eu ardia do desejo de arrancar das chamas do inferno as almas dos grandes pecadores".

Assim estava a santa "Pescadora de Almas" quando Pranzini foi condenado à morte. E ela se pôs a campo para livrá-lo da eterna condenação: rezou, fez sacrifícios e mandou celebrar uma Missa, nessa intenção.

Sua confiança na misericórdia divina lhe dava a certeza de que esse infeliz seria perdoado, mesmo se ele não se confessasse nem sequer se mostrasse arrependido. Entretanto, diz ela, "pedi a Jesus apenas ‘um sinal' de arrependimento, simplesmente para minha consolação".

E esse sinal lhe foi dado!


Oração de Teresinha e a milagrosa
conversão de Pranzini momentos
antes de sua execução
"Meu primeiro filho"

No dia seguinte ao da execução, ela leu no jornal "La Croix" a descrição detalhada dos derradeiros minutos de vida do criminoso:

"Às cinco horas menos dois minutos, enquanto os pássaros silvam nas árvores da praça e um murmúrio confuso se ergue da multidão (...) abre-se a porta da prisão e assoma pálido o assassino. O capelão, Pe. Faure, põe-se à sua frente, ele repele o padre e os carrascos. Ei-lo diante da guilhotina para onde o carrasco Deibler o empurra. Um ajudante, colocado do outro lado, agarra-lhe a cabeça, para mantê-la presa pelo cabelo embaixo da lâmina prestes a cair. Antes, porém, talvez um relâmpago de arrependimento tenha atravessado a consciência do criminoso. Pranzini pediu ao capelão o crucifixo e beijou-o duas vezes. Depois, o cutelo caiu, e quando um dos ajudantes agarrou pelas orelhas a cabeça cortada, concluímos que, se a justiça humana estava satisfeita, talvez este derradeiro ósculo tenha satisfeito também a Justiça Divina, a qual pede, sobretudo, o arrependimento".

E a futura Padroeira das Missões deu graças a Deus por esse seu primeiro pecador convertido, "meu primeiro filho" - escreveu ela, emocionada, nos Manuscritos Autobiográficos.
Enquanto Santa Teresinha permaneceu no século, utilizava o dinheiro que ajuntara no seu cofrezinho para encomendar Missas pela alma de Pranzini a cada dia 31 de agosto, aniversário da execução do condenado. Hábito este que, com a devida licença da superiora, conservou também no Carmelo.

(Fonte: Revista Arautos do Evangelho, Jan/2007, n. 61, p. 32-33)

quinta-feira, 28 de maio de 2015

Beata Elias de São Clemente

A Beata Elias de São Clemente nasceu em Bari (Italia) dia 17 de janeiro de 1901. Seus pais eram profundamente cristãos e ela foi batizada com o nome Teodora, dom de Deus. Tal nome verificou-se de fato no breve curso de sua vida terrena. Dia 8 de abril de 1920 (festa de S. Alberto então), entrou no Carmelo de S. José de Bari. Sua vestição religiosa deu-se dia 24 de novembro do mesmo ano, festa de S. João da Cruz naquele tempo. A 8 de dezembro de 1924 escreveu com seu sangue um ato de oferta total e definitiva ao Senhor, com voto de fazer sempre “o mais perfeito”. Morreu no dia do Natal de 1927. Bento XVI assinou o Decreto de beatificação dia 19 de dezembro de 2005 e ela foi proclamada Beata na Catedral de Bari dia 18 de março de 2006.

Do Comum das Virgens, com a salmodia do dia do saltério
ORAÇÃO
Ó Deus, a quem agradou a oblação de si a vós oferecida pela virgem, Beata Elias de São Clemente, por sua intercessão concede-nos, sustentados pelo Pão Eucarístico, cumprir fielmente vossa vontade. Por nosso Senhor Jesus Cristo vosso Filho que é Deus e vive e reina convosco na unidade do Espírito Santo, pelos séculos dos séculos.
Amem.

Ofício das leituras

Segunda leitura
Dos escritos da B. Elias de São Clemente, Virgem. (ED. OCD 2001: pp. 282-295-322).
O desejo de perder-se em Deus e o zelo apostólico
Oh doce ocultamento, como amo passar os meus dias sob tua sombra e consumir assim minha existência, por amor do meu doce Senhor... às vezes, pensando nas eternas recompensas, infinitamente maiores que os leves sacrifícios desta vida, a minha alma fica maravilhada e tomada de uma ardente ânsia, eleva-se a Deus exclamando: “Oh meu bom Jesus, a qualquer preço quero atingir a meta, o porto da salvação. Não negue-me nada, concede-me de sofrer. Este seja o martírio interior do meu pobre coração, oculto a qualquer olhar humano; uma cruz despojada eu te peço. Estendida sobre ela, quero passar meus dias aqui”.
Quando se sofre unido a Jesus, o padecer é alegria; sofrer amando eu anelo, fora disto não quero mais nada.
Meu Dileto, quem poderá jamais separar-me de Ti? Quem será capaz de romper estas fortes correntes que amarram meu coração ao Teu? Será o abandono das criaturas? É próprio isto que une a alma ao seu Criador... talvez as tribulações, as penas, as cruzes? É nestes espinhos que o canto da alma que te ama é mais livre e leve. Talvez a morte? Mas esta não será outro que o princípio da verdadeira felicidade para a alma.... nada, nada poderá separar, nem mesmo por breves instantes esta alma de Ti. Ela foi criada por Ti e é fora do seu centro se não vive abandonada em Ti.
A minha vida é amor: este néctar suave me circunda, este amor misericordioso me penetra, me purifica, me renova e sinto que me consome. O grito deste meu coração é: “Amor do meu Deus, a Ti somente busca a minha alma. Alma minha, sofre e cala; ama e espera; imola-te e oculta a tua imolação sob um sorriso e, sempre avante... quero passar a minha vida num profundo silêncio para escutar no íntimo da alma a delicada voz do meu Doce Jesus.
Almas buscarei para lançá-las no mar do Amor misericordioso: almas de pecadores, mas sobretudo almas de sacerdotes e religiosos. Com esta meta a minha existência se apagará lentamente, consumindo-se como o óleo da lâmpada que vela junto ao Tabernáculo”. Sinto a vastidão da minha alma, a sua infinita grandeza, que não basta a vastidão deste mundo para preenchê-la: ela foi criada para perder-se em Ti, meu Deus, porque só tu és grande, infinito e por isso só Tu podes torná-la plenamente feliz.

Responsório
R.  A rocha do meu coração é Deus, é Deus a minha herança para sempre: * fora Dele, nada desejo da terra.
V./ Uma Virgem preocupa-se das cosias do Senhor, para ser santa no corpo e no espírito:
R./ fora Dele, nada desejo da terra.

Ant. ao Benedictus: Como é suave, Senhor o teu amor! Perdida em Ti, vivo beata eternamente.

Ant. ao Magnificat:  O teu amor, oh Deus, como o fogo me consumiu na fornalha ardente do teu Coração.

quarta-feira, 27 de maio de 2015

Santa Maria de Jesus Crucificado-A pequena árabe



No dia 17 de maio o Papa Francisco canonizou a  carmelita descalça Maria de  Jesus Crucificado.

SUA VIDA


     A Santa nasceu em Abellin, pequeno povoado a meio caminho entre Haifa e Nazaré, a 5 de janeiro de 1846. Era filha do casal Jorge Baouardy e Mariam Chahyn, fervorosos católicos palestinos. Eles haviam obtido a graça de seu nascimento após uma peregrinação a pé, percorrendo uma distância de 170 km até Belém, ao local onde nasceu o Menino Jesus. A menina foi batizada e crismada no mesmo dia, segundo o rito católico melquita, recebendo o nome de Mariam. Um ano depois nasceu-lhes um menino, Baulos (Paulo).
     Em 1848, os pais de Mariam morrem um após o outro. Segundo o costume oriental, as crianças foram repartidas entre os parentes. Baulos foi adotado por uma tia materna de um povoado vizinho, e ela acolhida por um tio paterno abastado. Aos 8 anos faz sua primeira comunhão. Alguns anos depois ele se mudou para Alexandria, Egito, levando-a consigo.
     Conforme o uso oriental, seu casamento foi ajustado e quando completou 13 anos lhe disseram que chegara o momento do casamento. Porém, Mariam já sentia um chamado de Deus e não desejava se casar, e comunicou isto aos tios. Nem as humilhações, nem os maus tratos puderam fazê-la mudar sua decisão.
     Após três meses, ela visitou um velho criado da casa de seu tio para que este enviasse uma carta a seu irmão, que vivia na Galileia, para que viesse ajudá-la. Ouvindo a narração de seus sofrimentos, o criado, que era muçulmano, exortou-a a converter-se ao Islã. Mariam respondeu com ênfase: "Muçulmana eu? Jamais! Sou filha da Igreja Católica e espero permanecer assim por toda vida!" Enfurecido, o homem deu-lhe um violento pontapé que a derrubou ao chão, e, com uma cimitarra, deu-lhe um golpe na garganta. Crendo que ela estava morta, envolveu-a num lençol e abandonou-a em uma rua escura. Era o dia 8 de setembro.
     A própria Mariam contaria muitos anos mais tarde que, como num sonho, lhe parecia ter entrado no Paraíso onde viu a Virgem, os Santos e também os pais e a Gloriosa Trindade. Ouviu então uma voz que lhe disse: "O teu livro ainda não está todo escrito".
     Acordando, se encontrava numa gruta onde passou vários dias com febre, sendo assistida por uma jovem senhora que parecia ser uma religiosa e que vestia um véu azul. Esta a atendia, alimentava e fazia dormir. Depois de quatro semanas, aquela senhora conduziu-a a igreja dos Franciscanos, deixando-a lá.
     Curada, mas só, pois não poderia voltar para sua família adotiva, com o ajuda de um franciscano Mariam se colocou como doméstica a serviço de famílias não abastadas em Alexandria, Beirute, Jerusalém. Nesta cidade fez o voto de castidade perpétua no Santo Sepulcro. Em 1863, a família Nadjar, para a qual trabalhava, se transferiu para Marselha, França, levando-a consigo.
     Em 1865, Mariam entrou em contato com as Irmãs de São José de Marselha. Tinha 19 anos, mas só parecia ter 12 ou 13. Falava mal o francês e possuía uma saúde frágil, mas foi admitida no noviciado.
     Sempre disposta aos trabalhos mais pesados, ela passava a maior parte do tempo lavando ou na cozinha. Mas, dois dias por semanas revivia a Paixão de Jesus: Mariam recebia os estigmas (que na sua simplicidade acreditava ser uma enfermidade) e toda classe de graças extraordinárias começaram a manifestar-se. Algumas irmãs ficaram desconcertadas com o que se passava com ela, e, ao final de dois anos de noviciado, não é admitida na Congregação.

     Em 14 de junho de 1867, Mariam entrou no Carmelo de Pau (Baixo Pirineus), apresentada por sua antiga mestra de noviciado, Irmã Verônica da Paixão, que declarou: "esta pequena árabe é um milagre de obediência".
     Em 27 de julho de 1867 tomou o hábito carmelitano adotando o nome de Maria de Jesus Crucificado. A sua condição de analfabeta a colocava entre as conversas e para ela, que aspirava somente servir, assim estava bem. Mas foi decidido colocá-la entre as coristas, e a obrigaram a aprender a ler e a escrever, porém sem sucesso. Em 1870 voltou a ser conversa.
     Em 1870, com um pequeno grupo de Irmãs, Mariam parte para a Índia, para fundar o primeiro mosteiro de carmelitas daquele país, em Mangalore. A viagem de barco foi uma aventura e três religiosas morreram antes de chegarem. Reforços são enviados e no final de 1870 a vida claustral pode ser iniciada.
     Os fenômenos extraordinários, que ela procurava esconder, continuaram na terra de missão. Ao mesmo tempo ela era a alma da fundação, enfrentando todos os trabalhos pesados e dando atenção aos problemas inerentes a uma nova fundação. Durante seus êxtases, as irmãs às vezes podiam ver seu rosto resplandecente na cozinha ou em outro local. Mariam participava em espírito dos acontecimentos da Igreja, por exemplo, nas perseguições na China. Parecia estar possuída exteriormente pelo demônio, que a fazia viver terríveis tormentos e combates.
     A superiora e o bispo, porém, começam a duvidar da autenticidade das manifestações extraordinárias, acusando-a de visionária, de ter uma imaginação oriental muito ardente, etc. Apesar das tensões, ela emitiu os votos no término de seu noviciado, em 21 de novembro de 1871. Como as tensões continuassem, ela foi enviada de volta ao Carmelo de Pau em setembro de 1872. As Irmãs que a perseguiram reconheceram mais tarde o seu erro e expressaram o seu arrependimento.
     Em Pau ela retomou sua vida simples de Irmã conversa, feita de muito trabalho entremeado de episódios prodigiosos. Dom de profecia, ataques do demônio ou êxtases, entre todas essas graças divinas ela sabe, de maneira muito profunda, ser ‘nada’ diante de Deus, e quando fala dela mesma se chama "o pequeno nada", é realmente a expressão profunda de seu ser.
     Iletrada como era, encantada com a natureza, compunha belíssimas poesias e inventava melodias para cantá-la. É bom frisar que todos os fatos extraordinários são vividos por Irmã Maria com grande humildade e simplicidade. Muitas pessoas a procuravam para serem reconfortadas, aconselhadas, e pedir orações.
     Em 28 de junho de 1873, pela manhã, a Priora a encontrou sentada em um pequeno banco diante de uma janela aberta: "Madre - ela disse - todos dormem. E Deus, tão cheio de bondade, tão grande, tão digno de louvores, é esquecido!... Ninguém pensa nEle!... Vede, a natureza O louva; o céu, as estrelas, as árvores, as ervas, todas as criaturas O louvam; porém o homem, que conhece seus benefícios, que deveria louvá-Lo, dorme!... Vamos, vamos, despertemos o universo! Jesus não é conhecido, Jesus não é amado!"

A fundação do Carmelo de Belém


     Nossa Senhora havia predito que Irmã Maria seria a alma propulsora da fundação de Carmelos na Palestina. A fundação em Belém era algo muito complicado por motivos políticos. O Bispo de Biarritz escreveu uma carta ao Papa Pio IX expondo o projeto das religiosas do Carmelo de Pau e pedindo sua autorização para concretizar a fundação. O Papa apoiava o projeto e aprovou-o.

     Depois de uma peregrinação a Lourdes, no dia 20 de agosto de 1875 um pequeno grupo de carmelitas embarcou para esta aventura. Irmã Maria de Jesus Crucificado zarpou com elas para o Oriente Médio.
     Os locais sagrados já estavam nas mãos de muçulmanos e cismáticos. A alegria de estar na Terra Santa foi totalmente ofuscada por esse fato. A alegria de Irmã Maria esvaiu-se:
     "Como o Senhor permite semelhantes coisas? Ah, isto é demais! Se eu fosse Jesus jamais suportaria semelhante profanação!" Mas, ela faz uma reflexão e diz: "Isto é um castigo para a Cristandade, porque há uma coisa que é muito pior. Ah, Senhor, quantas almas são mais abomináveis ainda do que o Cenáculo estar nas mãos dos muçulmanos, e nessas almas Vós sois obrigado a descer! Eu compreendo a profanação deste lugar Santo pensando em todas as comunhões indignas e sacrílegas que acontecem na vossa Santa Igreja".
     O Senhor mesmo guiava Mariam na escolha do local e na forma de construção do novo Carmelo. Como ela era a única que falava árabe, encarregava-se particularmente de seguir os trabalhos “imersa na areia e na cal”. A comunidade instalou-se no dia 21 de novembro de 1876, enquanto certos trabalhos continuaram.
     Mariam preparou também a fundação de um Carmelo em Nazaré, viajando até lá para comprar o terreno, em agosto de 1878. Durante essa viagem Deus revelou a ela o lugar de Emaús, o qual foi adquirido.
     De volta a Belém, retomou a vigilância dos trabalhos sob um calor sufocante. Quando levava aos trabalhadores algo para beber, Mariam caiu de uma escada e partiu um braço. A gangrena avançou muito rapidamente e ela morreu poucos dias depois, em 26 de agosto de 1878, aos 32 anos.
     Ela foi beatificada pelo Papa João Paulo II a 13 de novembro de 1983.  

Fontes diversas                                          
Atual Carmelo de Belém


Postado por Zeni  (DO BLOG HEROINAS DA CRISTANDADE http://heroinasdacristandade.blogspot.com.br/2011/08/beata-maria-de-jesus-crucificado.html