quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Vamos rezar a Ladainha de todos os Santos Carmelitas?

                                                   LADAINHA DOS SANTOS CARMELITAS       
        
                                                                                                  (Giovani Carvalho Mendes)

Senhor, tende piedade de nós
Jesus Cristo, tende piedade de nós.
Senhor, tende piedade de nós.
Jesus Cristo, ouvi-nos
Jesus Cristo, atendei-nos.
Deus Pai do Céu, tende piedade de nós!
Deus Filho Redentor do Mundo, tende piedade de nós!
Deus Espírito Santo, tende piedade de nós!
Santíssima Trindade que sois Um só Deus, tende piedade de nós!
Santa Maria, rogai por nós!
Santa Mãe de Deus ( rogai por nós )
Santa Virgem das Virgens
Nossa Senhora do Carmo
Rainha e Mãe da Igreja
Rainha da Ordem do Carmelo
Mãe dos Carmelitas
Virgem do Santo Escapulário
Refúgio dos pecadores
São José, patrono do Carmelo
Santo Elias, patriarca do Carmelo ( profeta )
Santo Eliseu ( profeta )
Todos os santos eremitas do Carmelo
Santo Alberto de Jerusalém ( bispo )
São Simão Stock ( presbítero )
São João da Cruz, nosso pai ( presbítero e doutor da Igreja )
São Pedro Tomás ( bispo)
Santo André Corsini ( bispo)
Santo Alberto de Trápani ( presbítero )
São Rafael Kalinowski ( presbítero )
Todos os santos religiosos de nossa Ordem
Santa Teresa de Jesus, nossa mãe ( virgem e doutora da Igreja )
Santa Maria Madalena de Pazzi ( virgem )
Santa Teresa do Menino Jesus ( virgem e doutora da Igreja)
Santa Teresa Margarida Redi ( virgem )
Santa Teresa de Jesus de los Andes ( virgem )
Santa Edith Stein - Teresa Benedita da Cruz ( virgem e mártir )
Todas as santas monjas de nossa Ordem
Beato Tito Brandsma (presbítero e mártir )
Beato Dionísio da Natividade (presbítero e mártir)
Beato Redento da Cruz (religioso e mártir)
Beato Nuno Álvares Pereira ( religioso )
Beato João Soreth ( presbítero )
Beato Francisco Palau ( presbítero )
Beato Elias Ciríaco Chavara ( presbítero )
Beato Batista Mantovano ( presbítero )
Beata Maria de Jesus Crucificado ( virgem )
Beata Elizabete da Trindade ( virgem )
Beata Ana de São Bartolomeu ( virgem )
Beata Maria da Encarnação ( virgem )
Beata Maria dos Anjos ( virgem )
Beata Maria de Jesus ( virgem )
Beata Teresa de Santo Agostinho e companheiras ( virgens e mártires)
Beata Maria Sacrário de São Luís de Gonzaga ( virgem )
Beata Maria Maravilhas de Jesus ( virgem )
Beata Teresa Maria da Cruz ( virgem )
Beatas Maria Pilar, Teresa e Maria Angeles ( virgens e mártires)
Beato Isidoro Bakanja (mártir)
Beata Josefa Naval Girbés (virgem da OCDS)
Beato Afonso Mazurek (presbítero e mártir)
Todos os bem-aventurados de nossa Ordem
São João Maria Vianney, o Cura d'Ars. ( presbítero )
São João Bosco ( presbítero e fundador )
São Francisco de Sales ( bispo, fundador e doutor da Igreja)
São Pompílio Pirrotti ( presbítero )
Santo Afonso Maria de Ligório ( bispo, fundador e doutor da Igreja )
Santo Antônio Maria Claret ( bispo )
São Gabriel da Virgem Dolorosa ( religioso )
São Domingos Sávio
São Cláudio de la Columbière ( presbítero )
Santa Bernadette Soubirous ( virgem )
Todos os santos e beatos devotos do Escapulário do Carmo
Todos os habitantes do Carmelo Celeste, rogai por nós!
Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo (3x): Perdoai-nos Senhor! Ouvi-nos, Senhor! Tende piedade de nós!
V :Rogai por nós, todos os Santos e Santas carmelitas:
R :Para que sejamos dignos das promessas de Cristo!

Oremos : Ó Deus, que condecorastes a Ordem do Carmo com o singular título da Bem-Aventurada Sempre Virgem Maria, Vossa Mãe, concedei propício que nós, que agora veneramos todos os Santos e Santas do Celestial Carmelo, mereçamos participar dos gozos eternos em que viveis e reinais por todos os séculos dos séculos! Amém!
( ou )

Oremos : Ajude-nos, ó Deus Todo-Poderoso, o patrocínio da Bem-Aventurada Virgem Maria, nossa Mãe, e a intercessão dos Santos e Santas carmelitas, para que, seguindo fielmente seus exemplos, sirvamos generosamente vossa Igreja com a oração e a vida apostólica. Por Nosso Senhor Jesus Cristo Vosso Filho, que convosco vive e reina, na Unidade do Espírito Santo! Amém!

14 de Novembro dia de todos os Santos Carmelitas

               Você sabia?   

No  dia 14 de Novembro celebramos a Festa de Todos os Santos Carmelitas. Homens e mulheres santas da Ordem da Bem Aventurada Virgem do Monte Carmelo que encontraram na família carmelitana um escola de oração e um modelo de comunidade pronta para servir o outro enquanto peregrina nesta mundo.


                                   Carmelo escola de santidade



O Carmelo presenteou a Igreja com uma riqueza imensa de doutrina espiritual que de nada valeria se não fosse a santidade de seus filhos. São irmãos que tomaram Cristo como Mestre e segurando na mão da Virgem Maria nos deixaram exemplos de fecundidade na vida contemplativa e doação ao próximo.
 Eremitas,doutores,confessores,missionários,pregadores,religiosos e leigos.Mártires que banharam com  o própro sangue a capa do hábito como mártires do Evangelho.São como flores imaculadas exalando suave perfume na encosta do Monte Carmelo.
A Ordem do Carmo hoje volta o olhar e o coração para a esses Santos e Santas que com sua vida contemplativa e ao mesmo tempo missionária encarnaram a suavidade da espiritualidade do Carmelo.Essa multidão que já goza no céu os frutos de sua vida de  oração e contemplação nos convida  a buscarmos o Próprio Céu que é Deus e na nossa alma faz morada e gozar nesta terra os beneficios que a vida de oração nos proporciona.A saborear os frutos da árvore da vida.




"A santidade não está nesta ou naquela prática,mas consiste numa disposição do coração,que nos faz humildes e pequeninos,nos braços de Deus,conscientes de nossa fraqueza ,e audaciosamente  confiantes em sua bondade de Pai."(Santa Teresinha do Menino Jesus e da Sagrada Face)


domingo, 9 de novembro de 2014

PENSAMENTOS DE ELISABETE DA TRINDADE





"A minha alma: santuário interior no qual vivo dia e noite com aquele que é o Amigo de todos os momentos"

"Aqui na terra, tudo se realiza no sacrificio"

"Que alegria crer que Deus nos ama até o ponto de habitar em nós, de tornar-se o companheiro de nosso exílio, o confidente, o amigo de todos os momentos!"

"Toda circustância, todo acontecimento, todo sofrimento, como toda alegria, é um sacramento que Deus nos outorga"

"Visto que é o amor que une a alma a Deus, quanto mais intenso é o amor, mais ela entra profundamente em Deus e concentra-se nele"

"A oração é o vínculo das almas"

"Pensa que tua alma é o templo de Deus, pois a todo instante do dia e da noite as três Pessoas Divinas habitam em ti. Quando se tem consciência disto, entra-se numa intimidade verdadeiramente adorável porque não estamos

sozinhos"

"O humilde jamais colocará Deus demasiado no alto ou a si mesmo demais embaixo"

"A característica do amor é dar sempre e sempre receber"

"Se soubéssemos apreciar o valor do sofrimento, sentiríamos fome dele"

"A Trindade, eis nossa morada, nossa casa, a casa paterna que não devemos mais abandonar. Um dia o Senhor disse: O escravo não permanece sempre na casa, mas o filho aí mora para sempre"

"Não percamos um só sacrifício; há tantos que podem ser feitos durante um dia!"


"A característica do amor consiste em não procurar jamais a si mesmo, em não reservar nada para si, mas em dar tudo Àquele que se ama"

"Deus tanto amou a companhia da dor que a escolheu para seu Filho, e o Filho deitou-se neste leito para harmonizar-se com o Pai neste amor"

"Á luz da eternidade, a alma vê as coisas no ponto certo. Oh! Como é vazio tudo o que não foi feito para Deus e com Deus!"

"É preciso tomar consciência de que Deus se encontra no mais íntimo de nós e de enfrentar tudo com Ele. Então não somos nunca banais, sequer fazendo as ações mais comuns, porque não vivemos nestas coisas, mas vamos para além delas"

"Tambem o matrimonio é uma vocação. Quantos santos nele glorificaram a Deus"

"Acreditar que um Ser, chamado Amor, habite em nós a qualquer momento do dia e da noite e que nos pede que vivamos em comunhão com Ele. Eis o que transformou a minha vida num céu antecipado"

"Quanto mais nos damos a Deus, mais Ele se dá a nós"

"Dentro de mim ha uma solidão onde Cristo mora, a qual ninguem poderá tira-la de mim"

"Fazer a vontade do Senhor é o que ha de mais belo"


"Se tiveres que sofrer, pensa que és ainda mais amado e dize sempre:'obrigado'"

"Creio que o segredo da paz e da felicidade consista em esquecer-se, em desinteressar-se de si mesmos"

"Encare todo sofrimento e toda provação como uma prova de amor que lhe vem diretamente por parte do bom Deus para uni-la a Ele"

"Recolha-se no íntimo de sua alma e ali encontrará o seu Dileto pronto acumulá-la de tantos favores"

"No céu não poderemos mais sofrer por aquele que amamos. Por isso, aproveitemos agora cada um dos nossos sofrimentos para consolar nosso Dileto"

"Que alegre misterio a presença de Deus dentro de nós, neste intimosantuario das nossas almas, onde sempre podemos encontra-lo, tambem quando não experimentamos mais sensivelmente sua presença"

"Nosso lema deve ser estas palavras de São Paulo: 'Nossa vida está escondida com Cristo em Deus'"

"Vivamos de amor para morrer de amor e glorificar a Deus, todo amor".


"Quando sabemos envolver o sofrimento com a própria alegria, que deliciosa paz experimentamos"

"Quisera gritar a todas as almas e falar-lhes da vaidade, do nada de tudo o que passa quando não é feito para Deus".

"A meu ver, a alma mais livre é aquela que mais se esquece de si mesma. Se me perguntassem o segredo da felicidade, diria que consiste em não se preocupar mais consigo, desprendendo-se a todo momento".

"Que alegria crer que Deus nos ama até o ponto de habitar em nós, detornar-se o companheiro de nosso exilio, o confidente, o amigo de todos os momentos".

"Sei muito bem que o bom Deus ouve as orações dos pequenos, e eu sou sua filhinha. Ele se comporta comigo como uma mãe cheia de ternura".

"Como é triste ter que deixar o tabernáculo e despedir-se do Hóspede divino! Mas estás sempre comigo, estás no meu coração... único meu Dileto!"


"Só nos resta esvaziar-nos, desapegarmo-nos de tudo, para que nada mais exista senão Ele, e só Ele... É aos pés da cruz que a gente sente emprofundidade todo esse vazio das criaturas, essa sede infinita dEle".

"Sim, nós lhe pertencemos totalmente, entreguemo-nos todas ao nosso predileto Jesus num generoso abandono! Fazer a sua vontade é o que há de mais belo. Ofereçamos-lhe nosso exílio. É tão doce sofrer por quem se ama"

"Amemos, portanto, o nosso Dileto, mas com amor calmo e profundo! Permaneçamos em recolhimento ao lado Daquele que é (Esd 3,14), junto ao Imutável cuja luz sempre resplende sobre nós. Nós somos aqueles que não são.Vamos até ele, que quer que sejamos todas suas e que nos envolve por toda parte, de maneira que já não somos mais nós que vivemos, mas sim ele"  


"Como é grande a bondade do divino Prometido e como parece refulgir mais na obscuridade da prova!"

"Ele nos marca com o sinete da cruz para que mais nos assemelhemos a ele... Na realidade, existem correspondências de amor que só se pode compreender na cruz".

"Ele me aparece sempre mais ao meu pensamento como a Águia divina. Nós somos a presa do seu amor. Agarra-nos, coloca-nos sobre suas asas e leva-nos para longe, às alturas sublimes onde a alma e o coração gostam de perder-se!"

"Acaso podemos desejar alguma coisa que ele não queira? Porventura não estamos prontas a permanecer neste mundo enquanto ele quiser? Como é bonito unir, identificar a nossa vontade com a dele!"

"Que alegria sofrer, dar algo a quem se ama".  


"'Deus em mim, e eu nele' deve ser o nosso lema. Que jubiloso mistério a presença de Deus dentro de nós, neste íntimo santuário das nossas almas ondesempre podemos encontrá-lo, também quando não percebemos mais sensivelmentea sua presença! Que importa o sentimento? Talvez ele esteja também mais perto, quando menos o sentimos"

"É aqui, no fundo da alma, que gosto de procurá-lo. Preocupemo-nos em não deixá-lo jamais sozinho, e em que a nossa vida seja uma contínua oração. Quem poderá, acaso, raptar-nos o nosso Bem-Amado ou distrair-nos daquele quenos tomou e nos fez totalmente suas? Como é grande a sua bondade!"

"Os seus sofrimentos agradam muito ao seu Bem-Amado, o qual se compraz em prolongá-los desta maneira. Eles constituem o sinal da sua predileção, da sua vontade de uni-la intimamente a si"  

   
"Se ele nos prova, ocultando-se à nossa alma, é porque já sabe que o amamos demasiado para que o deixemos. Por isso, deixemos que ele ofereça também aoutras almas as suas doçuras e as suas consolações para atraí-las a si. E nós amemos esta obscuridade que nos aproxima dele"

"Se soubesse como às vezes sinto nostalgia do céu! Como gostaria de voar para lá, junto de meu Deus!"

"Percamo-nos nessa Trindade Santa, nesse Deus todo Amor, deixemo-nos transportar nessas regiões onde não há mais do que ele, só ele!"

"Pertencemos-lhe... deixemos que o nosso Bem-Amado nos tome e leve aondemelhor lhe aprouver... o meu coração não agüenta mais, pois está todopossuído por Ele! Mas o que estou dizendo? Ele não se apodera de nós para levar-nos para longe, Ele que está sempre dentro de nós: Ele, o 'Imutável', 'Aquele que é' (Ex 3,14)"

"Encontrei o meu céu na terra, nesta querida solidão do Carmelo onde estou a sós com meu único Deus. Tudo faço com ele e realizo todas as coisas com alegria divina".

"Oh! Sinto que todos os tesouros encerrados na alma de Cristo são meus e mesinto, assim, tão rica. Com que alegria e felicidade vou abeberar-me neste manancial em favor de todos aqueles que amo e que me fizeram tanto bem".

"Aqui não há nada, nada mais que ele somente. Ele é tudo, ele basta, só se vive dele e encontramo-lo por toda parte..."

"Quando se sente triste, diga-o àquele que tudo sabe, que tudo compreendee que é o Hóspede de sua alma. Pense que ele se acha dentro de você como numa pequena hóstia"

"Durante o dia, pense às vezes naquele que está dentro de você e que tem tanta sede de ser amado. É perto dele que você sempre me há de encontrar!"


"Veja só como é maravilhosa a união das almas! Devemos amar-nos acima de tudoo que é passageiro: então nada pode separar. Amemo-nos assim"

"Aconselho-a a simplificar o número de livros... Pegue o seu crucifixo, olhe-o, ouça-o. Você sabe que é ali que temos nosso encontro"

"Mesmo no trabalho, podemos rezar ao bom Deus: basta pensar nele. Então tudo se torna suave e fácil, porque não agimos sozinho, mas ali também Jesus está atuando"

"Amo sempre mais estas queridas grades que me constituem prisioneira do amor"

"Vivamos com Deus como com um amigo. Procuremos avivar a nossa fé para comunicar-nos com ele através de todas as coisas, pois assim conseguimos a santidade"

"Nós carregamos o céu dentro de nós, porque aquele que sacia os bem-aventurados, na luz da visão beatífica, entrega-se a nós na fé e no mistério"
 "O abandono leva-nos a Deus. Eu sou muito jovem, mas às vezes me parece que já sofri muito. Então, nesses momentos de confusão, quando o presente meera tão doloroso e o futuro me parecia ainda mais obscuro, eu fechava osolhos e me abandonava como uma criança nos braços daquele Pai que está nos céus"

"Não basta deter-nos diante da cruz e contemplá-la, mas precisamos recolher-nos na luz da fé, elevar-nos mais alto e pensar que ela constitui o instrumento do amor divino"

 
"A Carmelita é uma alma que contemplou o divino Crucificado, que o viu oferecer-se como vítima ao seu Pai em prol das almas; ela reflete à luz desta grande visão da caridade de Cristo e compreendeu, assim, a paixão de amor da sua alma e quis entregar-se como ele!"

"Vivamos na intimidade com o nosso Amado, sejamos totalmente dele comoele é completamente nosso"

"Bem que eu quisera ser uma alma totalmente silenciosa e adoradora para poder penetrar sempre mais nele. Quisera encher-me de Sua plenitude, que pudesse dá-lo mediante a oração àquelas pobres almas que ignoram o dom de Deus!"

"Quando contemplo a minha vida passada, descubro, como que uma divina perseguição de amor sobre minha alma. Oh! Quanto amor! Sinto-me como que esmagada sob o seu peso e só me resta calar e adorar!"

"Quer saber como é que me comporto quando me encontro um pouco cansada? Olhopara o crucifixo, e, vendo como ele se sacrificou por mim, sinto que só posso prodigalizar-me por ele e consumir-me, a fim de restituir-lhe um pouco daquilo que me deu!"

"E pensar, minha boa Madre, que temos o céu dentro de nós, aquele céu de que às vezes sinto tão pungente nostalgia!"

"Oh! Se você soubesse como ele é bom, como é todo amor! Eu lhe peço que se revele à sua alma, que seja o amigo que você sempre saiba encontrar. Então tudo se esclarece e ilumina e a vida se torna algo tão belo de viver!"

"Creio que não há nada que nos manifesta tanto o amor que está no coração de Deus como a Eucaristia. É a união consumada, é ele em nós e nós nele; e não lhe parece que isto é o céu na terra?"

"Ele colocou no meu coração uma sede de infinito e uma necessidade tão grande de amar, que só ele pode saciar".

"O sacrifício é um sacramento que nos leva a Deus. Ele o envia àqueles que ama e que deseja estejam perto dele!"

"Se o bom Deus nos separou, é porque ele quer ser o Amigo que a gente sempre pode encontrar. Ele está postado à porta do coração... e espera"

"E eu amo tanto aquele Deus que me quer ciumentamente só para si. Sinto tanto amor me envolvendo a alma! É como se fosse um oceano em que me lanço e me perco... Ele está em mim e eu nele. Só tenho que amá-lo e deixar que me ame, a cada instante, em cada coisa"

"A alma não pode resistir ao seu apelo. Ele subjuga, acorrenta; a gente não se pertence mais a si, mas nos tornamos a presa do seu amor. O coração pode sofrer arranhões, mas na alma reina uma paz inefável"

"Eu sou 'Elisabete da Trindade', ou seja, a Elisabete que desaparece, que seperde nos Três e se deixa invadir por eles"

"Vivamos de amor, sejamos simples como ela, sempre no mais completo abandono, imolando-nos momento após momento no cumprimento da vontade de Deus, sem procurar coisas extraordinárias"

"Nós somos tão fracas ou, até mesmo, não somos senão miséria; mas ele sabe disso e gosta de perdoar-nos, de soerguer-nos e, depois de, de arrebatar-nos para junto de si, na sua pureza, na sua santidade infinita"

"Quero ser santa. Santa para fazê-lo feliz. Peça-lhe que eu só viva de amor! Esta é a minha vocação!"

"Os santos são almas que se esquecem a todo instante de si, que desaparecem de tal maneira naquele que amam, que não se preocupam com sua própria pessoa"

"Como compreendo, agora, o recolhimento e o silêncio dos santos que não conseguiam mais abandonar a sua contemplação".

"Gosto de contemplar a minha vida de carmelita nesta dupla vocação:"Virgem-Mãe". Virgem, desposada com Cristo na fé. Mãe, salvando as almas e multiplicando os filhos adotivos do Pai..."

"Não existem mais distâncias, porque já é o Uno como no céu... o céu que um dia chegará quando então veremos a Deus na sua luz".


"Reze por mim: o horizonte é maravilhoso, o sol divino faz brilhar a sua grande luz. Peça que a borboletazinha queime suas asas em seus raios".

"Quando me fazem uma observação injusta, sinto o sangue como que refervendo nas minhas veias e todo o meu ser se rebela!... Mas Jesus está comigo, ouço a sua voz no fundo do meu coração, e então me sinto disposta a tudo suportar por amor a ele".

"Amo tanto esse mistério da Santíssima Trindade, pois é um abismo em que me perco".

"A fé é o face-a-face nas trevas"


"Deus é o principio e o vínculo indissoluvel de toda amizade verdadeira e profunda".

"Como a fé é bela! É o céu nas trevas, mas um dia o véu cairá e então contemplaremos na sua luz Aquele que amamos".

"Que o amor seja o seu claustro e o carregue sempre assim consigo, pois então encontrará a solidão no meio dos ruídos e da multidão"

"Antes de morrer, sonho estar transformada em Jesus Crucificado, e este pensamento me dá tanta força no sofrimento"

"Não posso dizer que amo o sofrimento em si mesmo, mas o amo porque me torna semelhante com aquele que é meu Esposo e meu amor"

"Oxalá soubesses como o sofrimento é necessário para que se realize em tua alma a obra de Deus!"

"Constitui uma alegria tão grande para o bom Deus ver que uma alma reconhece a própria incapacidade"

"Tenho profunda compaixão pelas almas que só vivem das banalidades da terra. Acho que são escravas e gostaria de dizer-lhes: Sacudi este jugo que pesa sobre vós! Que fazeis destes troncos em que estais acorrentadas, vós mesmas e as coisas mais ínfimas?"

"Parece-me que felizes são neste mundo aqueles que muito se desprezam e se esquecem de si, para escolher a cruz como sua herança"

"O Mestre me lembrou que Ele é a minha moradia e que não me compete a mim escolher meus sofrimentos. Por isso me lanço com Ele no mar da dor com todos os seus receios e suas angústias"

"O orgulho alimenta-se do amor-próprio. Pois bem, é preciso que o amor de Deus seja tão forte, para apagar todo amor de nós mesmos"

"A alma que vive unida a Deus não age senão sobrenaturalmente, e as ações mais corriqueiras, ao invés de separá-la dele, aproxima-la-ão sempre mais"

"A minha alma: santuário interior no qual vivo dia e noite com aquele que é o Amigo de todos os momentos"

"Os santos aprenderam a verdadeira ciência: aquela que nos faz sair das coisas criadas, e sobretudo de nós mesmos, para lançar-nos em Deus e viver somente dele!"

"Se conhecesses o Mestre, a oração não te enfadaria mais. Na realidade, ela é um repouso, uma distensão. É dirigir-se com toda a simplicidade àquele que se ama"

"Jesus é o meu tudo, o meu único tudo. Que alegria, que paz este pensamento proporciona à alma"

"Nunca estou sozinha: meu Cristo está aqui, sempre orando dentro de mim, eeu me uno à sua oração"

"Tudo consiste em fazer a vontade do bom Deus"

"Que coisa mais doce pode haver do que doar Àquele que se ama?"

"O Esposo divino cava abismos na minha alma, abismos que só ele pode encher. Por isso me conduz num silêncio profundo do qual jamais quisera sair"

"O sacrifício é um sacramento que nos dá Deus. Ele o envia aos que ama e quequer perto de si"

"É toda a Trindade que mora em nós e Ela será nossa visão no céu"

"Parece-me que os santos são almas que a todo instante 'se esquecem', que se perdem naquele que amam, sem pensar em si mesmas, sem saudades das criaturas"

"Em tudo e por tudo vivamos todo momento, em comunhão com este divino VerboEncarnado, com Jesus que mora dentro de nós e quer revelar-nos todos os seus mistérios"

"É preciso separar-se de tudo para possuir Aquele que é tudo"

"Jesus dá sua cruz aos seus verdadeiros amigos para aproximar-se sempre mais deles"

"Oferece a Deus tudo o que fere o teu coração, confidencia-lhe tudo. Pensa que dia e noite tens alguém em tua alma, que jamais te deixa sozinha"

"Parece-me que minha oração é onipotente, porque não sou eu que reza, mas meu Cristo que reza em mim"

"Depois da comunhão, possuímos o céu inteiro em nossa alma, exceto a visão dele"

"No céu não poderemos mais sofrer por aquele que amamos. Por isso, aproveitemos agora cada um dos nossos sofrimentos para consolar nosso Dileto!"

"Unir, identificar a nossa vontade com a de Jesus: então somos sempre felizes, sempre contentes"

"Fazer a vontade do Senhor é o que há de mais belo"

"Permaneçamos em recolhimento junto Daquele que é, ao lado do Imutável, cuja luz sempre resplandece sobre nós. Nós somos aqueles que não são"

"A piedade deve ser guiada pelo amor e não pelo temor. Trabalha-se sempre com paixão por aquele que se ama"

"Devemos assistir à santa missa com os sentimentos iguais aos que teríamos tido em nosso coração no Calvário"

"A alma acostumada ao pecado venial acaba não distinguindo mais o limite que a separa da culpa grave"

"Quando entramos em nossas casas, devemos sentir que nelas Deus está presente, que ali Ele é amado e respeitado"

"Como é difícil suportar os diferentes temperamentos! Um santo afirmou que isto constitui a flor da caridade"

"Se a oração é uma cosa tão bela e consoladora, se trabalhar para Deus é admirável, nada, contudo, pode igualar-se ao mérito e à beleza do sofrimento. Nele não há traço de amor-próprio"

"Tu bem o sabes: sem ti nada sou; mas se tu me alentas, Senhor, serei capaz de todo sacrifício"

"Também no meio do mundo podemos ouvir a voz de Deus no silêncio de um coração que só quer ser dele".

"Se caio a cada instante, na fé confiante farei com que Ele me levante".

"Olhar somente a Ele, receber como vindo diretamente de seu amor tanto a alegria como a dor; isso estabelece a alma nas alturas serenas".

"Não devemos deter-nos diante da cruz para olhá-la em si mesma, mas, recolhendo-se sob as luzes da fé, é preciso subir mais alto".


"Ele é um Deus de amor. Nós não podemos compreender até onde chega seu amor particularmente quando nos prova".

"Em sua bondade o Senhor está sempre inclinado para vós, para vos arrebatar e vos estabelecer nele".

"Que nossa vida se esgote Nele... Façamo-nos silenciosas para ouvir aquele que tem tanto a nos dizer..."

"Ó meu Deus, pacificai minha alma, fazei dela vosso céu".

"É preciso que o amor de Deus seja tão grande que chegue a extinguir por completo nosso amor próprio".

"É toda a Trindade que habita na alma que o ama realmente, isto é, que guarda a sua palavra".

"É a Virgem Maria, esse ser luminoso, todo puro da pureza de Deus, que me tomará pela mão para me introduzir no céu".

"Olhar somente a Ele, receber como vindo diretamente de seu amor tanto a alegria como a dor; isso estabelece a alma nas alturas serenas".


"Viver submergidos em humildade é viver submergidos em Deus, porque Deus é o fundo desse abismo".

"É tão transparente, tão luminosa, que julgaríamos ser ela (a Virgem Maria) a própria luz. No entanto, é apenas o 'espelho do Sol de Justiça'”.

"'A Virgem conservava estas coisas em seu coração'. Toda a sua história pode resumir-se nestas poucas palavras; foi no coração que viveu e em tal profundidade que nenhum olhar consegue segui-la".

"A pureza de intenção, a simplicidade, nos dará a herança que o Senhor nos preparou na eternidade".

"Maria foi tão singela em sua humildade porque viveu sempre esquecida de si mesma, desapercebida a seus próprios olhos, desapegada de si própria".

"Ninguém penetrou tanto a profundidade do Mistério de Cristo como a Virgem Maria".

"Eu quisera corresponder ao Senhor passando sobre a terra como a Santíssima Virgem, 'guardando todas estas coisas em meu coração'”.

"Essa intimidade com Jesus, no íntimo da alma, é que foi o belo sol a iluminar minha vida".


"Ah, a adoração! Palavra de céu. Eu creio que se poderia definir: o êxtase de amor".

"Lançai vossa alma nas ondas da confiança e do abandono".

"Entra nesse pequeno reino de tua alma e adora a esse grande Senhor que nele mora como em seu próprio palácio. Te ama tanto!"

"Esta Rainha das Virgens é também a Rainha dos Mártires; e é no seu coração que 'a espada traspassou', porque Nela tudo se passa no íntimo..."

"A casa de nosso Pai, o céu, está no centro de nossa alma".

Beata Elisabete da Trindade - 8 de Novembro

Vamos conhecer um pouco dessa jovem monja carmelita descalça que morreu com apenas 26 anos dos quais apenas cinco foram no Carmelo.

Elisabete nasceu em um acampamento militar em 18 de julho  de 1880.
Era filha de um Capitão. Desde menina distinguia-se por seu temperamento apaixonado,um tanto agressivo,temperamento forte mas marcado por uma grande sensibilidade.A morte de seu pai aos sete anos de idade marcou o ínicio de sua conversão.E uma mudança profunda de seu caráter.Desde os oito anos estudava música no Conservatório de Dijon.Seu talento precoce fez com que ganhasse o primeiro prêmio de piano do Conservatório com 13 anos de  idade.
Ela então vivia como qualquer  jovem de seu tempo e de sua idade.Era entusiástica, gostava do mar,das montanhas,dos amigos,de sua Igreja  e sua comunidade paroquial.Visitava os enfermos,dava aula de catecismo para as crianças e sobretudo todo o tempo estava rezando.Sua vizinha descreve Elisabete,cujo o nome significa” casa de Deus” como:” uma pessoa  muito simples e duma espantosa franqueza... muito querida pelas suas companheiras... muito alegre, muito musical... a sua doçura refletia –se -lhe no olhar extraordinário e luminoso... a pureza transparecia-lhe no olhar”. A Senhora Hallo confirmará o esplendor do olhar de Elisabete, especialmente quando voltava da comunhão: “nunca poderei esquecer o seu olhar. O rosto de Elisabete, quando voltava da comunhão, não se pode explicar”.
Aos 21 anos ingressa no Carmelo Descalço na Cidade de Dijon na França,cidades de seus pais.Teve um período radiante como postulante mas ao ingressar no noviciado  teve um período muito difícil.Até professar os votos em 11 de janeiro de 1903 na Ordem dos Carmelitas Descalços.
Com sua vida e doutrina, breve mas sólida, exerce grande influência na espiritualidade atual, especialmente por sua experiência trinitária. Em sua obra distinguem-se: Elevações, Retiros, Notas Espirituais e Cartas.
Foi beatificada pelo papa João Paulo II, no dia 25 de novembro de 1984, festa de Cristo Rei. Sua festa é celebrada no dia 8 de novembro.
Foi  em 1904 que compôs a famosa oração:”meu Deus Trindade santa que eu adoro”
Elisabeth da Trindade tem um amor especial pelo silêncio, por ser marcada pela espiritualidade do Carmelo e porque o silêncio é o que a permite estar a sós com Deus. Para ela, a fim de poder viver com Deus, uma ascese do silêncio é necessária: na realidade calar todos os barulhos exteriores e interiores (a imaginação, a sensibilidade e o intelectualismo) que são obstáculos à presença de Deus. “Se meus desejos, meus temores, minhas dores, se todos os movimentos provenientes dessas quatro potências não são perfeitamente ordenadas a Deus, eu não serei solitário, haverá barulho em mim”. O silêncio, segundo a espiritualidade de Elisabeth da Trindade, não tem então um fim em si mesmo, mas procura permitir que a alma possa estar com Deus.
Em 9 de novembro de 1906, depois de 9 dias de agonia, Elisabeth da Trindade morre, como consequência da doença de Addison, una insuficiência renal. Mesmo durante a agonia física imposta por sua doença, ela deseja ser um Louvor de Glória a Deus e quer se identificar ao Cristo crucificado. Foi também durante as dores provocadas pela doença que ela escreve sobre o tema do Louvor de Glória após um pedido de sua superiora que via nisso uma grande novidade vinda de sua espiritualidade.
"Eu sou 'Elisabete da Trindade', ou seja, a Elisabete que desaparece , que se perde nos Três e se deixa invadir por eles"

terça-feira, 4 de novembro de 2014

Venerável Serva de Deus Teresa González Quevedo, Virgem do Instituto das Carmelitas da Caridade (de Santa Joaquina de Vedruna). Modelo de santidade para os jovens.


Venerável carmelita Maria Teresa González-Quevedo, que morreu jovem e era muito bonita, além de ser prima do Padre Quevedo, que chegou a conviver com ela.
As matérias são de um site que valoriza a sua formação jesuítica, mas estejamos atentos no fato de que a moça se torna Irmã Carmelita da Caridade de Vedruna, uma Congregação Carmelitana. Além disto, sua vida possui diversas semelhanças com a vida de Santa Teresinha do Menino Jesus.
Quem quiser saber mais, leia o livro "Teresinha de Maria - Jovem, Moderna, Sorridente, Santa", do Pe. Artur Bonotti, C.SS.R. - Editora Santuário (de Aparecida-SP), 1982.


No dia 9 de junho de 1983 o papa João Paulo II proclamou "Venerável" uma jovem espanhola de Madri: Maria Teresa González-Quevedo, que viveu só 20 anos, de 12 de abril 1930 até 8 de abril 1950. A Igreja coroara assim, oficialmente, esta breve existência, mas vivida intensamente, concluída no noviciado das Carmelitas da Caridade, a congregação onde ele queria viver toda sua vida, na oração e no apostolado ativo, como também com o desejo claro de trabalhar em terra de missão.

A vida desta jovem madrilena está ligada de vários modos à Companhia de Jesus. De fato, Teresita (como comumente era apelidada) formou sua vida espiritual na participação ativa à Congregação Mariana, por ela frequentada no Instituto das Carmelitas da Caridade, onde fez seus estudos.

É conhecido que as Congregações Marianas têm sua origem na Companhia de Jesus. Os Jesuítas as difundiram em boa parte do mundo católico, como uma "via" do compromisso cristão, aberta especialmente aos jovens, que levam ao seu ambiente, família, lugar de trabalho e atividades apostólicas, os valore de uma espiritualidade amadurecida graças aos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola, fundador dos Jesuítas.

Uma "via", esta da Congregação Mariana, feita de formação teológica com vários níveis (segundo as várias tipologias dos congregados), de oração constante e frequente revisão de vida, reforçada pela participação anual aos Exercícios Espirituais, e tendo como referência característica a Virgem Maria, contemplada seja em seu escutar viver a Palavra de Deus, seja em seu ardor de comunicar aos outros esta riqueza recebida.

Outro laço com a Companhia de Jesus é constituído pelo fato de que a família da Ven. Maria Teresa conta entre seus parentes, dois jesuítas. Dois irmãos do pai de Teresita, eram Jesuítas , um deles é o Pe. Antônio González-Quevedo. Deste, Teresita receberá a Primeira Eucaristia.

O período em que viveu não foi nada tranquilo, aliás foi o tempo da violenta guerra civil espanhola, durante a qual se desencadeou uma verdadeira perseguição religiosa, que causou a morte de 7.000 padres e 13 bispos. Entre esses mártires há também três irmãos do pai de Teresita.

  Os primeiros anos

Maria-Teresa González-Quevedo, nasceu em Madri o dia 12 de abril de 1930, após o irmão Luiz e a irmã Carmem. O pai, Calisto González, era um conhecido médico da capital. A mãe de Teresita era Maria do Carmo Cadarso, sobrinha do almirante Luís Cadarso y Rei, tombado na batalha de 1898, a bordo do cruzeiro "Regina Cristina".

Cresceu numa grande casa no centro de Madri, no coração da elegante capital, a praça do Oriente, na frente do Palácio Real. A primeira infância foi serena, e sua escola foi a do Instituto das Carmelitas da Caridade. Uma escolha favorecida pelo fato que uma tia de Teresita. Ir. Carmem, lecionava no Instituto. A mesma que anos depois a teria acolhido como Madre Mestra no noviciado.

Maria-Teresa amava o ambiente da escola, menos o estudo... e se entusiasmava pela partidas de pelota e por isso sabia escolher com cuidado as companheiras de time. Era muito procurada pela sua habilidade, era generosa em tantas pequenas coisas da vida quotidiana, e por causa disso o pessoal não hesitava em recorrer a ela.

Uma madrilena autêntica, com um extraordinário humorismo. Uma menina como todas as outras, mas com uma inquietação na alma... que pouco a pouco a teria levado muito longe, além do quanto ela podia prever, até a doação total ao Senhor. Desta "inquietação" encontramos o primeiro traço numa anotação quando ela tinha dez anos, mesmo com falhas gramaticais: "Decidi me tornar santa".


  A Congregação Mariana

Aos treze anos, Maria-Teresa já tinha uma fisionomia interior e um caráter bem delineados. Não é alta, mas bem proporcionada e muito ágil. Loira, com olhos azuis um pouco amendoados e uma atitude que convida ao sorriso. Quem a conheceu a lembra como muito elegante e com uma postura distinta inconfundível. Neste período desenvolveu os fundamentos da vida espiritual, graças aos Exercícios Espirituais ocorridos em seu Instituto.

Seu caráter ia se manifestando decidido e corajoso. Aprendeu a dirigir o carro e o pai nos conta como devia ter cuidado com ela, já que Teresita se lançava na estrada sem hesitação ou medo. Uma vez se encarregou de furar as orelhas de uma amiga para lhe colocar os brincos. Logo no começo a "vitima" sentiu-se mal e desmaiou. Mas Teresita, filha de médico, em lugar de se apavorar, achou que era o momento próprio para continuar seu trabalho e, aproveitando da inconsciência de sua amiga, colocou imediatamente os brincos. Uma firmeza assim unida a um fino equilíbrio, uma calma que lhe conferia um característico domínio nas mais variadas situações.

No tempo em que Maria Teresa frequentava o Instituto, foi instituída a Congregação Mariana, que foi logo apresentada com suas exigências de compromisso. Teresita foi logo conquistada por este ideal, no qual confluía sua particular devoção à Virgem Maria.

Os companheiros de Teresita testemunharam que com sua participação à Congregação Mariana, começou nela uma verdadeira evolução interior, surpreendente e definitiva. A sua irmã Carmem lembra: "Ela fez uma mudança verdadeiramente radical e tangível, que nós todas notamos. Até agora, mesmo sendo uma boa moça, tinha alguns defeitos muito comuns nas moças de sua idade, das quais se diferenciava por poucas coisas. Mas neste período de sua vida – no qual, segundo meu parecer começou a ser pouco comum – fez uma verdadeira mudança".

Mas esta sua "mudança radical" não diminuiu seu entusiasmo e sua alegria "contagiosa", que foi como a nota constante em sua vida.

A cada congregada era entregue uma medalha. Segundo o costume. Maria Teresa devia fazer gravar uma frase e ela escolheu uma que expressasse seu programa de vida: "Minha mãe, que quem me olha veja você".

  Uma oração carregada de consequências...

Durante a celebração Mariana do mês de maio, eis que Teresita formula uma oração especial, expressando algo que sente dentro muito profundamente, mesmo se ainda não totalmente claro: "Minha Mãe, dá-me a vocação religiosa”! Como veremos mais em frente, era de fato a resposta ao chamado do Senhor para uma total consagração. Maria Teresa sentiu-se quase turbada, compreendendo o porte de sua oração. "Quando sai – confiou pois a uma amiga – pensando bem, tive medo: E se nossa Senhora me desse verdadeiramente a vocação"?

Este desejo de doação total ao Senhor apareceu espontâneo num episódio na tarde de um domingo, quando Teresita conversava com uma colega. A amiga lhe confia: "Eu viajarei, vou me divertir durante a juventude, e quando serei mais velha entrarei no convento para me garantir o Céu". A resposta de Teresita foi imediata e reveladora: "Como você é mesquinha e egoísta!... E você acha que Jesus vai te aceitar cheia de achaques, depois que deu sua parte melhor ao mundo? Jesus tem gostos melhores, e ele quer de presente a juventude, com suas alegrias e seus sonhos”!


Rumo à escolha decisiva

É o ano de 1947. Teresita tem 17 anos. No verão a família vai para Fuenterrabía, ao norte da Espanha, para tirar férias na praia, não muito longe da divisa francesa. Ali Teresita está magnificamente: gostava pescar lulas com os pescadores, jogar tênis e participar das típicas danças bascas na praça da aldeia. Mas não esquecia o compromisso em prol dos outros.
Participava ativamente às vendas de beneficência em favor das missões, andando pelas lojas artesanais para procurar o necessário.
É claro que cativava a atenção dos rapazes, tomados pela sua beldade, pela elegância do vestir e pela espontânea alegria de sua postura. Riam, brincavam, cantavam junto com ela, porém muitos entre eles dirão depois que a respeito dela sentiam não poder ir além de uma sadia amizade, pois viam em Teresita algo de indefinível, que convidava a um grande respeito; pressentiam talvez que seu horizonte ia além daquilo que uma moça daquela idade pudesse sonhar e querer...

Sabemos de um rapaz que se enamorou dela, Luís José González-Gillén, hoje engenheiro da aeronáutica; no dia de vestir o habito religioso, lhe enviou um lindo buquê de flores brancas. Assim falou a mãe de Teresita em 1983, ano em que a filha foi declarada Venerável: “Era um bom rapaz, de ótima família, mui lindo, verdadeiramente suas qualidades não podiam ser melhor, mas Teresita tinha aspirações mais altas e efetivamente não tinha dúvidas”.

De fato Maria Teresa tinha clara a decisão de fazer o "grande passo", pedir para ingressar no Noviciado das Carmelitas da Caridade. Mas era uma decisão que ninguém ainda conhecia e, que, aliás, teria surpreendido muitas pessoas.

Acabado o verão, recomeçou o ano escolar. No fim de outubro, algo de extraordinário: a participação a um encontro da "Juventude Missionária" que as Carmelitas organizaram em Tarragona. Cerca de 400 jovens de toda a Espanha vieram para esta cidade e o grupo de Madri era guiado pela própria Maria Teresa. Uma participação, como sempre, ativa e entusiasta.

O tema do encontro em Tarragona era sobre as missões na China. Teresita – já sensível a estes assuntos – é mais uma vez conquistada pelo ideal missionário, até que podemos dizer que foi esta uma das motivações principais para entrar na vida religiosa, isto é, o sonho de querer participar pessoalmente ao trabalho missionário. Enquanto isso já tinha uma "adoção a distancia" de um menino das missões, enviando ofertas para sua formação.

Durante o Noviciado manifestou explicitamente este desejo: “Tenho uma evidente vocação missionária: minha vocação é claríssima”. Mas, como aconteceu com santa Teresa de Lisieux – que desejava deixar a França para viver no Carmelo do Vietnam – a doença lhe proibiu de realizar este sonho, ao menos nesta terra...


  A notícia

Aos 21 de novembro de 1947 decidiu comunicar sua opção para a tia, irmã Carmem, que mora em Carabanchel, onde está o noviciado. A tia compreende a seriedade da decisão da sobrinha, mas procura faze-la refletir:
"Você é ainda muito nova! Diz para ela – deveria esperar até os vinte anos, como tia Irene, como eu..." “Tia, receio que você não entendeu – retruca Teresita – Eu decidi mesmo. Faz tempo que penso nisso. Também o padre Múzquiz aprova. Mas não falar nada em casa, porque quero ser a primeira em comunicar isso ao pai”...
Já que Teresita era muito devota à Virgem Maria, o padre Músquiz lhe sugere comunicar suas decisão à família na festa da Imaculada, 08 de dezembro. Mas também, para isso Teresita tem um projeto bem certinho: revelando uma finíssima delicadeza quer comunicar a notícia só após a festa da Epifania, de modo que o período natalino passe serenamente.
Aos 20 de dezembro as alunas se reúnem na capela para rezar juntas antes da despedida para as férias de Natal. E aqui Adelaide Muñoz – uma sua colega – nota em Teresita algumas lágrimas silenciosas...
Evidentemente, Teresita adverte o peso da separação que a espera, separação da família, dos amigos, dos colegas de escola... mas, é só um momento, e com grande força logo retoma sua alegria costumeira...

Alguns dias depois, nas vésperas do Natal, escreve uma das suas cartinhas "de amenidades" falando para a amiga Marisa do novo carro que o pai comprou: "É muito lindo, verde claro, com ar quente e frio; só faltou o rádio"...  Depois conta que participou de uma festa: "Ontem, Maruja Parrella, você sabe quem é, fez a festa dos 18 anos: deram-me a permissão de participar, mesmo que acabou às duas e meia de madrugada... Diverti-me muito e tínhamos roupas cumpridas: uma saia de veludo preto até aos pés... A coisa mais interessante é que usei tamancos..." Mas no fim da carta assim escreve: “Se quiseres, peço-te o favor de rezar segundo minha intenção, ti serei muito agradecida”. A amiga ainda não sabe o que está na mente de Teresita, e ainda menos poderia ter adivinhado pelo tom da carta...

Acabado o tempo de Natal, eis aos 07 de janeiro de 1948. Teresita, como tinha decidido, comunica ao pai a "grande notícia"... O pai compreende... conhece a filha, sabe que se ela decidiu é porque ela está ciente daquilo que faz; mesmo assim procura fazê-la refletir:

"Mas Teresuca, se dá conta daquilo que acaba de dizer? Você que é tão viva e alegre, que se diverte muito nas festas..."
“Nada disso me satisfaz, pai”!
"Você sabe que, se for religiosa, terá uma vida cheia de sacrifícios”?
“Sim, sei. Mas é isso que estou procurando”.
E comunica ao pai a data de entrado no Noviciado, 23 de fevereiro. O pai um pouco surpreendido lhe pergunta o porquê desta data e não outra. Teresita responde muito simples, abrindo os dedos de suas mãos... “Olha, pai: dois mais três faz cinco... Maria”!

  Entrada no Noviciado e... Neve!...

Naturalmente a notícia se alastrou logo entre parentes, amigos, colegas de escola e para todos foi uma grande surpresa... Como é óbvio, os pareceres foram os mais variados: que acha se trate de exaltação de uma adolescente; ouros comentam que é uma pena, uma moça tão bonita, elegante e inteligente como Maria Teresa, vai se fechar num convento, renunciando a um futuro que para ela teria sido sem dúvida muito prometedor!... Outros superam a surpresa e começam a lembrar, refletir e dizem que será sem dúvida uma ótima religiosa.

O 23 de fevereiro se aproxima... Outra paixão de Teresita era a neve, que nunca falta em Madri durante o inverno. E para "batalhar com bolas de neve" a grande praça d’Oriente era o ideal! Como assim o quintal da escola, onde eludindo os vigias, Teresita se deitava sobre o manto branco da neve, com alegres risadas!
Ao aproximar-se o dia famoso, a amiga Consuelo a chama pelo telefone:
"Estás contente?"
"Contentíssima! Será um dia feliz para mim. E se Nossa Senhora me concedesse um pequeno desejo..."
"Qual? Fala-me!"
“Que o dia 23... caia a neve. Gostaria que aquele dia, tudo, tido fosse branco”.

Um deseja que relembra outro igual, expressado muitos anos antes na França por Teresa de Lisieux, pelo dia de sua profissão... E como Teresa, também Maria-Teresa González-Quevedo será atendida...
Na véspera da partida, aos 22, veio saudá-la a amiga Amparo... Esta admira o elegantíssimo vestido de Teresita... Parece surpreendida por tanta elegância. Teresita entende e sorri: "Você sabe, Amparìn, eu gosto vestir bem e todas estas coisas me dão prazer, mas quando entrar no Noviciado tudo isso acabará. Quero ser santa, não quero mediocridade".
Mais tarde a Consuelo a chama novamente ao telefone:
"Tere, te chamo outra vez para de dizer adeus!"
"Adiós, Consola! Mas olha que noite linda? Não terá nada daquilo..."
Então nada de neve? Mas como com Teresa de Lisieux, também aqui acontece o imprevisível. Durante a noite uma nevada cobre de branco a grande cidade de Madri... e na manhã do dia 23 de fevereiro, Teresita, feliz, agradece ao Senhor por esta sua "delicadeza" a seu respeito...
Coincidência? Mas é o seu dia, e tudo é branco de neve, come ela tinha desejado...
Teresita tem mais uma estratégia para poupar a mãe da dor da despedida... Com um "meditado" atraso quando a mãe ainda a esperava para ir na missa, convenceu o pai e o irmão Luís para levá-la correndo ao Noviciado Carabanchel!...

Aqui, no Noviciado é acolhida pela Superiora, Irmã Maria Teresa Rodríguez, que sem saber do desejo da noviça aspirante, comenta: "Quem sabe se Teresita pediu ao Senhor a neve, como Santa Teresita do Menino Jesus?"... Teresita respondeu só: "Eu gosto muito da neve”...

Teresa com hábito de noviça

Teresita, noviça em Carabanchel

No noviciado de Carabanchel, Teresita encontrou o que mais profundamente desejava: o que mais apreciava era o estilo de vida pobre das carmelitas, em contraposição aos luxos e à riqueza que sempre tinha em família. Aqui aprofundou seu amor para a Virgem Maria, e o resultado foi uma grande confiança: “Dela consigo tudo, sento-a ao alcance da mão. Se nossas mães nos amam tanto, quanto nos amará a Santa Virgem? O que ela nos recusará? Estou certa que serei santa, porque o peço à Virgem e Ela pode tudo”. E continuava: “Tenho muita devoção para com São José. O que diriam Jesus e Maria, se não amasse este grande Santo”?

Logo começaram as visitas das colegas do colégio, que tanto sentiam sua falta. Era curioso vê-la no salão rodeada pelas moças que a escutavam silenciosas e que voltavam se queixando da brevidade da visita!

Uma delas lhe conta das últimas férias: "Escuta, Tere, não lembras Fuenterrabía?" "Lembro sim – responde Teresita – pois não perdi a memória, mas te garanto que não sinto falta, porque aqui me sinto muito bem! Acho que se no mundo soubessem o que é o Noviciado, teríamos a fila de pessoas que gostariam ingressar”!

Na hora de receber a veste de postulante, Ir. Carmem não pode não contemplar a beleza de seus cabelos, que serão escondidos pelo véu... Admira os cachos dobrados com cuidado e comenta: "Oh quanta vaidade, quanta vaidade!..." Teresita retruca: "Sim, madre, muita, mas agora acabou tudo”!


  O último mês de maio

Maio de 1949 o último na vida de Teresita. No começo do mês Teresita diz: "Outras vezes vi claramente o que a Virgem pede de mim, mas agora não vi nada..." No entardecer, alguém nota que Ir. Maria-Teresa está com febre: "Não está bem? – lhe pergunta a tia, que é também Mestra. "Que nada!... sinto-me sim preguiçosa". Mas o termômetro explicou o motivo daquela preguiça...
"Por enquanto [a Virgem] me pede isso: mas ficarei atenta pra saber o que ela me pedirá quando eu levantar".

- "O que lhe pede, Ir. Maria-Teresa, a Mãe do Céu?"
- "A senhora não vê?... Suportar com paciência tudo aquilo que me envia; não sei quanto durará... seja feita a vontade de Deus. Estou nas mães de minha Mãezinha. Ela sabe o que me convém”.

Outro dia, Ir. Anita Prieto lhe pede:
- "No quarto, Ir. Maria-Teresa?"
- "Achava agradar a Virgem, e isto era o que Ela queria. Estou muito contente”!

Durante o noviciado leu a História de uma alma de Santa Teresa de Lisieux e escreveu no seu diário: "Da pequena via de Santa Teresa gostei muito, mas, para mi,  acho que esta via deve passar pela Santa Virgem".

Santa Teresa de Lisieux prometeu de "passar seu Céu fazendo o bem na terra": Maria-Teresa dizia para a Madre Provincial: "Madre, aqui não lhe seria muito útil, mas do Céu verá quanto trabalharei”! A às colegas noviças: "No Céu... serei muito ocupada, apresentando [à Virgem Maria] todas as homenagens que lhe são oferecidas”!

Um dia veio visitá-la sua mãe, e lhe perguntou: "Então, como vai a santidade?" E ela: "Vai, vai pra frente"...Sei lá – continuou a mãe brincando – mas parece-me que lhe está custando caro se tornar santa".
Teresita responde com decisão: "Pois é, mãe, também ao Luiz lhe custa caro se tornar engenheiro agrônomo, e não acho que a senhora coloque as duas coisa no mesmo nível”...

Teresita sofria uma pleurite aguda, que a manteve de cama todo o mês de maio... mesmo assim não parava de difundir otimismo, amabilidade e alegria: "A que risadas, irmã!... Meu pai se foi muito preocupado porque tenho muita ‘velocidade’ [de sedimentação do sangue] Imagine, eu mesmo, sempre calma, lenta... e agora... minha velocidade o preocupa!"

Uma melhora – mais ilusória do que real - permitiu-lhe voltar logo à vida normal, mas a doença continuava seu curso...

Lemos em seu diário, "Durante a Comunhão desejava ardentemente me doar toda a Jesus para lhe demonstrar quanto queria amá-lo, que me oferecia como vítima para que fizesse de mim o que ele queria". E Deus... costuma ter um bom ouvido para escutar este tipo de orações!



Outras reflexões deste período:

Festa de santo Estanislau Kostka, jesuíta. Um grupinho de noviças está comentando a figura do santo. "Que alma privilegiada aquela de santo Estanislau! – diz Teresita – morrer no noviciado... amando tanto a Virgem Maria... em seus braços... mas a coisa melhor é fazer a vontade de Deus, em tudo aquilo que Ele pede”.

Falava com uma noviça durante as férias de Natal, e sem sombra de dúvida lhe disse: "Certamente neste Ano Santo [1950] irei pro Céu, porque a Virgem me tomará no seu dia... terá tanta festa no Céu pelo dogma da Assunção... estou certa que estarei lá”.

Para ser santos, o primeiro passo é a confiança, depois o abandono nas mãos da Virgem, para que Deus faça o que Ele quer".

“Não entendo as pessoas indiferentes a Nossa Senhora e que não vivem dela, porque se complicam muito a vida”.



  "Ganhei o primeiro prêmio!"

18 de janeiro, Teresita adverte uma forte dor de cabeça. A Madre Mestra, inicialmente otimista, achou bom chamar logo o pai, que era médico, mas sem temer nada de grave.

O doutor Quevedo, ao contrário, logo percebeu da gravidade do caso. A diagnose não deixava esperança: meningite tubercular. Por isso disse às irmãs: "Decidam vocês... Minha filha morrerá, tanto em casa como aqui... e pensaria de não aplicar curas, porque no fim deverá morrer mesmo, depois de sofrer muito".

E o pai mesmo quis avisar a filha: "Teresuca, minha filha, você está nada bem, e mesmo procurando te ajudar a sarar, será bom que você se prepare..." Teresita logo entendeu e respondeu prontamente: "Sim, pai, o mais cedo”.

E com maravilha de quantos a assistiam e visitavam, a notícia de sua próxima morte fez explodir em Teresita uma alegria enorme: "Venha, Ir. Jacinta, que já estou mais contente... mas como estou contente" ! "Mas não tens medo de morrer?" “Como posso ter medo se tenho uma Mãe no Céu que virá ao meu encontro”?

"Mas se você ainda não ganhou o Céu – insinuava a Madre Mestra – como poderás possui-lo tão cedo?"
"Claro que não o ganhei! Mas vão mo dar de presente; Tu sabes o fato do bom ladrão. Se Jesus e Maria, que nunca separo, quiserem mo dar, são muito livres de fazê-lo."

Era tão impressionante o espírito sobrenatural e a alegria de Teresita diante da morte, que quando recebeu a Unção dos Enfermos, o pai, mesmo destruído pela dor diante da impotência da ciência humana em salvar sua filha, disse: "De fato, seria uma infâmia, atrasar sua partida..."

"Ganhei o primeiro prêmio!" – dizia alegre Teresita a sua colegas. E àquelas que aprendiam os cantos litúrgicos: "Como vai a Missa de Réquiem? Acho que serei a primeira a inaugurá-la..."

Pra quem a convidava a rezar a oração Mariana do "Memorare", respondia: "Sim... mas não para que passe a dor?" "Bom, será para que a Virgem lhe conceda o que quer e que a ajude a sofrer." "Isto sim..."

Mas a doença continuava e as dores eram lancinantes. Nessas crises terríveis, sua súplica era sempre a mesma: "Senhor, Senhor, não aguento mais... parece que fico louca... Sou vesga? Minha Mãezinha, não aguento mais!"

E chegou a alvorada da Quinta Feira Santa. Estamos no ano 1950, o Ano Santo proclamado por Pio XII. Quando todos se alegravam por uma relativa melhora, após dois longos meses de intenso sofrimento, de repente Teresita lança um grito agudíssimo, lhe vem um tremor generalizado, uma total perda de sentidos... Mesmo neste estado as suas costumeiras orações marianas lhe vinham espontâneas nos lábios...

Sabia que ficar na vontade de Deus era o que mais desejava; com exceção das respostas que devia às Superioras e aos médicos, quando perguntada sobre seu estado de saúde, habitualmente respondia assim: "Bem, bem... estou muito bem, porque estou como Deus quer!..."

Participou com fervor e perfeito entendimento às rezas ao seu redor pala salvação de sua alma, e se apagando, continuava repetindo: "Jesus te amo por aqueles que não te amam!... Minha Mãe!... mil vezes morrer do que te ofender!..."

A noite da Quinta Feira Santa, foi cruel para ela: depois de um ataque da doença, seu pescoço ficou rígido e não podia se mexer, a não ser com dores terríveis... "Senhor... eis... aquela que vos ama... e deseja ardentemente... vos receber... Senhor". E logo após: "Sou vossa... por Vós vim ao mundo... O que queres, ó Senhor, de mim?... Tudo posso... naquele... que me conforta..."

E quando todos pensavam não ouvir mais sua voz, exclamou com força, entre a maravilha geral, tanto que a escutaram no quarto do lado, com os braços levantados pro alto: "Minha Mãe, vem me receber... e leva-me contigo no Céu!" Depois, mais calma: "Por aqueles... que não te amam..."

Uma irmã lhe sugere de pedir a graça da cura, mas Teresita replica com clareza: "Minha Mãe! O que você quer!" Depois levantou pela última vez as mãos e sorrindo disse: "Como é bonito”!... A que se referia? Suas mãos se baixaram, e repetia silenciosamente as jaculatórias que lhe sugeriam... Espirou após alguns minutos.


A serenidade do santo corpo de Teresa Quevedo em seus
funerais... 


Era o dia 08 de abril de 1950. Faltavam poucos dias para completar seus vinte anos de idade...


Desde que os Anjos vão recolhendo através dos séculos o respiro de seus irmãos da terra que morrem poucas vezes se cumpriu em modo tão verdadeiro o ditado que diz: “A morte é o eco da vida”...