quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Quaresma tempo de Silenciar e escutar a voz de Deus

           A ESCADA DO SILÊNCIO NA QUARESMA
                       "Uma proposta de Encontro"



                            "O Barulho adoece, o Silêncio Cura "
                                  (Frei Patrício Sciadini, OCD)

“Estamos entrando na QUARESMA, quero lhe propor um exercício de silêncio, onde será frutuosa a experiência com a ESCADA DO SILÊNCIO.
Como a QUARESMA se discorre ao longo de 6 (seis) semanas, sugiro que se faça a meditação de dois degraus por semana. Dessa forma, ao final, os frutos para a Páscoa do Senhor, terá um novo entendimento para a vida interior e para o crescimento espiritual, para o bom uso das obras criadas e para o relacionamento com os irmãos, mas sobretudo, para a INTIMIDADE COM DEUS.”(Alma Carmelita)




Conheça e decida-se por uma Quaresma diferente:

"Chega-se ao silêncio de todo o nosso ser,
silêncio que evita o barulho, o desgaste físico e mental, não de um dia para o outro, mas lentamente. É caminho. Não devemos forçar o passo, porque cansaremos com facilidade e nunca chegaremos à meta. Mas devagar se vai ao longe'. Toda a nossa vida interior é silêncio, e Deus, nos recorda, João da Cruz, pronunciou uma única palavra, que é seu Filho, seu Cristo. Ele a pronunciou em silêncio e é em silêncio.




A mística Maria Amada de Jesus, carmelita descalça, nasceu na Normandia, em 1839 e faleceu em 1874. Fez-se carmelita em 1859, teve noites escuras duras e terríveis.Escreveu os DOZE DEGRAUS DO SILÊNCIO, que vamos comentar um pouco. São caminhos que podem curar nossas feridas, as doenças abertas pelo BARULHO. (Comentário de Frei Patrício, Ocd.)


PRIMEIRO DEGRAU DO SILÊNCIO:
Falar pouco com as criaturas e muito com Deus.

É o segredo para começar a cura pelo silêncio:
Redescobrir Deus como amigo, como médico, como aquele que vem em nosso socorro, nos ESCUTA a cada momento e nos convida a entrar em comunhão com Ele.
O falar muito com as criaturas nos leva a uma hiperagitação.
O silêncio da Prudência e da Sabedoria é o silêncio que devemos ter nas conversações, nos encontros.
Não é raro que falemos mais forte com “nossos silêncios” que com as palavras.
Há silêncios que apavoram, gritam e condenam o palavreado vazio de tantas pessoas.

SEGUNDO DEGRAU DO SILÊNCIO:
Silêncio no trabalho, silêncio nos movimentos.

Vimos que o silêncio não é, de forma alguma, mutismo, alienação, afastamento dos outros, porque não somos capazes de dialogar ou de entrar em comunhão. É uma atitude interior que nos leva saber fazer tudo com amor e com recolhimento.
Por que deixar que a agitação e o barulho entrem em nós e coloquem nossa morada interior numa confusão insuportável?
Os mestres da vida interior nos ensinam que tudo deve ser feito com calma, com silêncio, evitando qualquer barulho que possa perturbar a nós mesmos e aos outros.
 SILÊNCIO no andar, SILÊNCIO dos olhos, dos ouvidos, da voz. SILÊNCIO de todo o exterior, preparando a alma a unir-se a Deus.

TERCEIRO DEGRAU DO SILÊNCIO:
Silêncio da imaginação.

A imaginação é boa, é um dom de Deus e devemos aproveitá-la na nossa oração e na nossa memória, para reviver momentos de ação de graças, de alegria e também de dor, de pecado para purificar-nos cada vez mais e estarmos prontos para receber a graça da fonte de Deus que jorra em nós. Porém, a imaginação, pode tornar-se uma fera violenta, que, como tempestade, nos leva longe e sempre fora da nossa casa interior, quando nos faz perder o contato com a vida de cada dia, isso se faz terrível e doloroso. Aí adoecemos na alma, nos tornamos tristes, preocupados.

QUARTO DEGRAU DO SILÊNCIO:
Silêncio da memória.

Nada de mais belo que a nossa memória. Jesus nos mandou celebrar Sua Memória, torná-Lo Presente, Vivo e Real no Sacramento da Eucaristia.
A memória não é o reviver da imaginação, mas o recordar e, com força da vontade, tornar presente. É uma mística Eucarística que vivemos no nosso dia-a-dia. É necessário silenciar a memória para que possamos não nos deixar alienar da nossa realidade cotidiana. Esvaziar-nos de nós mesmos.

A MEMÓRIA DEVE SER RECONHECIMENTO, AÇÃO DE GRAÇAS por tantas Misericórdias que Deus tem feito em nós.
Vale a pena meditar com o canto da memória agradável e vivo do MAGNIFICAT, por exemplo.
Recomendação: Não se deixe influenciar pelas suas memórias, ou se condicionar por elas.
Não podemos viver de saudosismo, é necessário viver de vida, de esperança e de amor.
Nossa memória deve ser vivida, atualizada, e o é assim no Mistério da Eucaristia de Cristo, que nos dá nova força para caminharmos para nosso futuro.

QUINTO DEGRAU DO SILÊNCIO:

Silêncio com as criaturas.

Falamos demais. Isso prejudica a saúde física, psíquica, espiritual.
Não importa do que falamos. O que importa é falar e falar muito.
Parece ser um impulso incontrolável.
Temos uma tendência de fazer monólogos longos, que nunca irão preencher e curar as doenças terríveis da solidão humana.
É necessário sim, ter uma lembrança das criaturas de Deus.
Sua Criação traz em si mesma a figura do Criador, do Senhor. A Natureza nos fala e nós podemos falar com Ela. Como não lembrar a voz das Criaturas do Cântico de Daniel (Dn 3)?




SEXTO DEGRAU DO SILÊNCIO:
O Silêncio do Coração.

Somos levados a avançar para as águas mais profundas do silêncio.
É necessário entrar agora no silêncio do coração.
Silenciando tudo o que está fora de nós e dentro de nós.
Nada pode perturbar nossa paz interior; nem as criaturas, nem a memória, nem a imaginação.
Tudo é paz. Deixemos, neste caso, tomar-nos pela mão da Virgem Maria e por Cristo Jesus, onde tudo é silêncio.


SÉTIMO DEGRAU DO SILÊNCIO:
Silêncio da natureza.

Silenciar a natureza humana que vive revoltada com o mínimo vento de dor, de contrariedade, é uma obra lenta, fruto de paciência e de tempo.
Não devemos nos revoltar nem achar que tudo isso se dá à toque de caixa.
Temos de saber que sem um grande esforço nunca ficaremos curados de nossas feridas físicas e espirituais.
Devemos silenciar o orgulho, o amor-próprio ferido, nos afastar das situações que podem nos levar a críticas inúteis e desfavoráveis aos outros e a nós mesmos.
“De toda palavra ciosa que pronunciarmos, daremos conta a Deus”.
Devemos saber dominar o desejo de vingança, muitas vezes travestido de justiça, de zelo e de verdade.

OITAVO DEGRAU DO SILÊNCIO:
Silêncio do espírito.

É um ponto muito importante para não adoecer:
... de orgulho, de superioridade, de “ insubstitutividade”, de “ tudo eu faço e sou melhor”- doença terrível, dentro e fora da Igreja.
O silêncio do espírito nos leva a agir somente pela Glória de Deus, pois para quem busca a viver a santidade não pode existir duplicidade de vida.
Está comprovado que a “ambiguidade de vida” é fonte de sofrimento e doenças físicas e psíquicas.
Como pode viver tranquilo e com saúde quem trai os amigos, a esposa, o esposo, ou vive com constante medo do que faz, ou ainda, aqueles que não cumprem com os seus compromissos ou com a palavra dada?
É o silêncio do espírito que devemos procurar na paz da nossa consciência mais íntima e profunda do ser.

NONO DEGRAU DO SILÊNCIO:
Silêncio do julgamento.

Não julgar é também um mandamento de Jesus: “não julgueis e não sereis julgados”.
Para que deixar a ânsia e a angústia de julgar entrar em nosso coração?
Silenciar o julgamento não é renunciar a emitir nossas opiniões. Estas devem ser conformes à verdade e nada mais.
Não devemos impor nosso ponto de vista.
Quantas vezes a imposição da nossa maneira de pensar e de julgar, nos levam ao isolamento, à marginalização ou ao sofrimento físico e espiritual.




DÉCIMO DEGRAU DO SILÊNCIO:
Silêncio da vontade.

É o silêncio nas angústias do coração e nas dores d´alma.
É o silêncio de uma alma favorecida por Deus e que, sentindo-se repelida, não pronuncia estas palavras como: “Por quê? Até quando?”. É o silêncio do abandono...
Silêncio ante a severidade do olhar de Deus... Silêncio sob o peso da Mão Divina.
Silêncio cuja única queixa é a do amor.
É o silêncio da Crucifixão. É o silêncio dos mártires. É o silêncio da agonia de Jesus.
Enquanto essa vontade humilde e livre - verdadeiro holocausto de amor - procura aniquilar-se para glorificar o Nome de Deus, Deus a transforma em sua vontade.

DÉCIMO PRIMEIRO DEGRAU DO SILÊNCIO:
Silêncio consigo mesmo.

Uma das piores doenças é “monologar consigo mesmo”, falar e, falar consigo mesmo dos próprios problemas, dificuldades, dramas, traumas e doenças.
Torna-se um círculo vicioso a partir do qual não conseguimos ver a vida com os olhos límpidos e transparentes.
Para que ruminar o dia todo e a noite inteira as situações conflitantes da vida?
Não é melhor dar a volta por cima e lançar-se nos braços de Deus, e rezar com calma o Salmo 130?
Este Salmo é do silêncio interior, fruto de ascese e de oferta de si mesmo a Deus.

DÉCIMO SEGUNDO DEGRAU DO SILÊNCIO:
O Silêncio com Deus.

O silêncio com Deus consiste em ter a certeza no nosso coração do amor do Senhor, de não duvidar Dele, mesmo que nada sintamos.
É deixar-se amar por Ele. É talvez o silêncio mais doloroso do ser humano, que em determinados momentos se sente abandonado por todos e até mesmo por Deus.
É o grito que surge dentro de nós: “Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste? (Sl 21)”.
Esse grito não é falta de fé. Ele é à força da natureza que se rebela diante da dor, da solidão, da doença. Mas Deus sempre vem em nosso socorro. Confirmamos esta experiência com os textos:

Dt 6, 4-5/Is 43, 1-5.

“O Barulho Adoece e o Silêncio Cura” ( Frei Patrício )



Que a Virgem do Silêncio,Maria Santíssima  nos ajude a trilhar esse caminho e entender :“Estar em silêncio é simplesmente  acolher o dom de uma Presença, ouvir. “Contemplar Alguém que te fala em linguagem de eternidade.
Maria guardava fielmente essas coisas no silêncio de seu coração “(cf. Lc 2, 19. 51)








Mãe do silêncio e da humildade,
tu vives perdida e encontrada no mar sem fundo do Mistério do Senhor.

Tu és disponibilidade e receptividade. 
Tu és fecundidade e plenitude. 
Tu és atenção e solicitude pelos irmãos. 
Estás revestidas de fortaleza. 
Resplandecem em ti a maturidade humana e a elegância espiritual. 
És senhora de ti mesma antes de ser nossa Senhora. 
Em ti não existe dispersão.

Em um ato de simples e total, tua alma, toda imóvel, está paralizada e identificada com o Senhor.
Estás dentro de Deus, e Deus dentro de ti.
O Mistério total te envolve e te penetra e te possui, ocupa e entrega todo o teu ser.

Parece que em ti tudo ficou parado, tudo se identificou contigo:
o tempo, o espaço, a palavra, a música, o silêncio, a mulher, Deus.
Tudo ficou assumido em ti, e divinizado.

Jamais se viu figura humana de tamanha doçura,
nem se voltará a ver nesta terra uma mulher tão inefavelmente evocadora.
Entretanto, teu silêncio não é a ausência, mas presença.
Estás abismada no Senhor e ao mesmo tempo atenta aos irmãos, como em Caná.
A comunicação nunca é tão profunda como quando não se diz nada,
e o silêncio nunca é tão eloqüente como quando nada se comunica.

Faze-nos compreender que o silêncio não é desinteressante pelos irmãos,
mas fonte de energia e de irradiação; não é encolhimento mas projeção.
Faz-nos compreender que, para derramar, é preciso preencher-se.
Afoga-se o mundo no mar da dispersão,
e não é possível amar os irmãos com um coração disperso.
Faze-nos compreender que o apostolado, sem silêncio, é alienação;
e que o silêncio, sem apostolado, é comodidade.

Envolve-nos em teu manto de silêncio e comunica-nos a fortaleza de tua fé,
a altura de tua Esperança e a profundidade de teu Amor.

Fica com os que ficam e vem com os que partem.
Ó Mãe Admirável do Silêncio!

Amém.

Autor: Frei Inácio Larrañaga



Um comentário:

  1. A Quaresma é um tempo de graça, um verdadeiro Kairós, tempo da manifestação de Deus. Que a Virgem do Silêncio, Maria Santíssima nos ajude a trilhar esse caminho! <3

    ResponderExcluir